Agraciados

 

PESQUISADORES EMÉRITOS

Foto do Ricardo de Carvalho Ferreira

Ricardo de Carvalho Ferreira

2007

  • Químico formado pela Universidade Católica de Pernambuco, é Livre-docente pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde desenvolve estudos sobre a origem da homoquiralidade na biota terrestre, cinética de reações enantiosseletivas, e sobre a origem e evolução do código genético. É considerado o primeiro químico quântico do Brasil. Foi Professor Visitante de instituições nos Estados Unidos, na Suíça e Inglaterra e é membro titular da Academia Brasileira de Ciências e Doutor Honoris Causa das Universidades Federais de Alagoas do Rio Grande do Norte. Foi condecorado, em 1995 com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Científica, pela presidência do Brasil e recebeu, em 1996, o Prêmio Almirante Álvaro Alberto, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


Foto do Theodor August Johannes Maris

Theodor August Johannes Maris

2007

  • Theodor August Johannes Maris nasceu na Holanda, em 1920.Obteve o Ph.D. summa cum laude na Universidade de Munique. Trabalhou em institutos europeus e nos EUA. À convite, deixou a Universidade da Flórida (1959) para continuar suas pesquisas no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), promovendo a abertura de novas áreas de pesquisa teóricas e experimentais. Seu artigo Quasi-Free Scattering and Nuclear Structure (em co-autoria com Gerhard Jacob), foi o trabalho de Física do Terceiro Mundo mais citado entre 1973 e 1978 na literatura do Primeiro Mundo. Foi Distinguished Visiting Professor na Universidade de Alberta e no Triumf, Vancouver. Recusou três convites para cátedras na Alemanha. Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências (1988), Professor Emérito da UFRGS (1990), agraciado com a Ordem Nacional do Mérito Científico, Classe Grã-Cruz (1996).


Foto do Aïda Espínola

Aïda Espínola

2006

  • Graduada em Química Industrial e em Engenharia Química pela Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aida Espínola concluiu três cursos de Pós-Doutorado organizados pela Organização dos Estados Americanos (OEA), na Universidad de La Plata, Argentina: Engenharia Eletroquímica, Eletrocatálise e Elipsometria aplicada à corrosão. Foi tecnologista química do Ministério de Minas e Energia por 29 anos, aposentando-se em 1971. Atuou como pesquisadora do Centro Técnico Aeroespacial (CTA) e integra o corpo docente da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Nesta instituição, além da docência, Aida coordenou diversas pesquisas no Instituto Alberto Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (COPPEIUFRJ) e ocupou cargos de administração, como a chefia do Laboratório de Eletroquímica Aplicada do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais (PEMM/COPPE/UFRJ).

    Entre 1971 e 1973, teve uma participação importante no Convênio CNPq/NAS (National Academy of Sciences) para o Programa para o Desenvolvimento da Química no Brasil. Dentre os prêmios e títulos, a pesquisadora obteve, do governo dos Estados Unidos, três diplomas de Honra ao Mérito por Excellence in performance; do Sindicato dos Químicos e Conselho Regional de Química do Rio de Janeiro, a Retorta de Ouro; e, ainda, vários reconhecimentos pelos seus trabalhos na UFRJ, como a Medalha e Diploma de Mérito por contribuição marcante na atuação profissional pelo Instituto de Química, em 2003.


Foto do Gláucio Ary Dillon Soares

Gláucio Ary Dillon Soares

2006

  • Graduado em Direito, em 1957, pela Universidade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, o pesquisador Gláucio Ary Dillon Soares é doutor em Sociologia pela Washington University, nos Estados Unidos. Sua carreira acadêmica inclui a docência e pesquisa em importantes instituições de ensino superior do Brasil e do exterior, dentre elas a Universidade de Harvard, a Faculdade latino-Americana Ciências Sociais (FLACSO), Massachusets Institute ofTechnology (MIT), a Universidade de Essex, a Universidade da Flórida, a Universidad Nacional Autonoma de Mexico, a Universidade de Brasília e a Fundação Getúlio Vargas.

    Gláucio Soares atuou, também, em organismos internacionais, como as Organizações dos Estados Americanos (OEA) e a UNESCO. Foi eleito duas vezes presidente da Associação Brasileira de Ciência Política e, em 2004, conquistou uma cadeira como membro do Conselho Executivo da Associação Latino-Americana de Ciência Política. Seu livro A democracia interrompida recebeu o Prêmio Sérgio Buarque de Holanda. Em 2002, o pesquisador recebeu do Governo Federal a Ordem do Mérito Nacional Científico. Publicou mais de 150 artigos científicos em quinze países. Atualmente, Soares ministra aulas e desenvolve pesquisas em temas como Homicídios no Brasil, Mortes Violentas no Brasil e O Regime Militar, no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ), vinculado à Sociedade Brasileira de Instrução.


Foto do Paschoal Ernesto Américo Senise

Paschoal Ernesto Américo Senise

2006

  • Paschoal Senise é Doutor em Ciências Químicas pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da Universidade de São Paulo. Pesquisador na área de métodos microquímicos e eletroanalíticos, Senise sempre aprofundou os estudos na área das ciências químicas.

    Além de vencedor do Prêmio Anísio Teixeira, do Ministério da Educação e Cultura em 1991, e do Prêmio Moinho Santista, de química, da Fundação Moinho Santista, foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico, pelo Presidente da República do Brasil, em setembro de 1994. Senise também foi membro do Conselho Federal de Química, do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, do Instituto Butantan e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. É Professor Titular aposentado do Instituto de Química da USP e Professor Emérito da Universidade de São Paulo.


Foto do Padre Jesus Santiago Moure

Padre Jesus Santiago Moure

2006

  • Jesus Santiago Moure destaca-se, principalmente, por suas pesquisas com abelhas nativas. Padre, graduado em Filosofia e Teologia pelo Seminário Claretiano em 1937, Moure descreveu, em quase 70 anos de dedicação à ciência, mais de 400 espécies de abelhas, além da disseminação e formação de grupos de pesquisa por todo o país.

    A excelência de seus estudos rendeu-lhe o título de Doutor Honoris Causa em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná, da qual é professor aposentado. Sua contribuição à ciência deve-se ao fato, ainda, de ter sido um dos responsáveis pela criação dos cursos de pós-graduação no Brasil, participando ativamente na fundação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


Foto do José Goldemberg

José Goldemberg

2006

  • José Goldemberg é Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo desde 2002. Sua participação no Governo Federal começou no início da década de 90, quando assumiu a Secretaria de Ciência e Tecnologia da Presidência da República. Como Ministro da Educação, preparou uma proposta que dava autonomia efetiva às universidades federais. Sua forte ligação com a academia nasceu no final da década de 40, quando começou a estudar no Departamento de Química e depois no de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo.

    Já foi bolsista no Canadá, trabalhou na Universidade de Illinois, onde construiu, junto com o Prof. Donald W. Kerst, o primeiro monocromador de fótons para radiação de "bremsstrahlung", e trabalhou com o Acelerador Linear da Universidade de Stanford, Estados Unidos. Entre os anos de 1986 e 1990, foi reitor da Universidade de São Paulo (USP) e fez uma reformulação dos seus estatutos. Graduado e Doutor em Física pela Universidade de São Paulo, atualmente Goldemberg continua realizando pesquisas na área de energia.


Foto do Ramayana Gazzinelli

Ramayana Gazzinelli

2006

  • Graduado em engenharia pela Universidade Federal de Minas Gerais, com doutorado em Física pela Columbia University, nos Estados Unidos, Ramayana Gazzinelli dedicou sua carreira ao magistério e à pesquisa em Física da Matéria Condensada. Teve papel relevante na formação do Departamento ele Física da Universidade Federal de Minas
    atualmente um dos melhores centros de pesquisa em física do país e, por isso, após sua aposentadoria, foi titulado Professor Emérito.


    Integrou, ainda, vários órgãos ligados à pesquisa científica, tendo sido chefe de pesquisas da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), membro da Comissão de Avaliação do Programa Nuclear Brasileiro, membro do Conselho Diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e da Comissão de Física para o Desenvolvimento da International Union of Pure and Applied Physics (lUPAP).

    Foi, também, pesquisador visitante do Institut für Angewandte Festkörperphysik, Freiburg, Alemanha, e membro do conselho, secretário de ensino e presidente da Sociedade Brasileira de Física. Participou, durante muitos anos, do Comitê Assessor de Física e Astronomia do CNPq. Desde 1979 Gazzinelli é membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Em 2002 o pesquisador foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico, a mais alta insígnia oferecida pelo Governo Federal na área de Ciência e Tecnologia.


Foto do Rogério Cezar de Cerqueira Leite

Rogério Cezar de Cerqueira Leite

2006

  • Rogério Cerqueira Leite tem uma carreira caracterizada pela diversidade de atuação, passando pela docência acadêmica, gestão de instituições privadas e várias participações como conselheiro. Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Cerqueira Leite concluiu o doutorado em Física de Sólidos na Universidade de Paris, em 1962. Foi professor do ITA e da Universidade de Campinas, onde também ocupou o cargo de Diretor do Instituto de Física.

    Cerqueira Leite tem participação importante no desenvolvimento da ciência, especialmente em São Paulo, sendo membro fundador da Academia Paulista de Ciências e atuando, por seis anos, como membro do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). O pesquisador foi, ainda, presidente do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), de 1985 a 1997, onde ainda atua como presidente do Conselho de Administração.

    Outras atividades de Cerqueira Leite incluem a presidência da Companhia de Desenvolvimento do Pólo de Alta Tecnologia de Campinas, a vice-presidência executiva da Companhia Paulista de Força e Luz, a participação, pela ONU, da "Conferência de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento" de 1976, e a participação em missões da Presidência da República do Brasil para acordos de cooperação internacional em tecnologia industrial. Entre os títulos obtidos estão a Ordem Nacional do Mérito da França, a Cátedra da Universidade de Montreal, no Canadá, e o Título de Professor Emérito da Unicamp. Publicou cerca de 80 trabalhos em revistas especializadas, recebendo cerca de três mil citações em revistas indexadas.