Pioneiras da Ciência no Brasil - 3ª Edição

Em parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), o CNPq lança hoje a terceira edição das Pioneiras da Ciência no Brasil. Conforme os parâmetros já divulgados, foram selecionadas cientistas de diversas áreas do conhecimento que tiveram relevante atuação como pesquisadoras e contribuíram para a formação dos campos e linhagens científicas.

Agradecemos a contribuição de vários/as pesquisadores/as e instituições que sugeriram nomes e colaboraram na produção dos verbetes aqui publicados. Mais uma vez, destacamos que o Programa Mulher e Ciência considera fundamental criar espaços de visibilidade para as mulheres e as suas contribuições para as diferentes áreas do conhecimento.

Somente demos início à divulgação da história das pesquisadoras e cientistas brasileiras e caso você entenda que ainda há outras esquecidas ou, então, outras ações que possam contribuir para o incentivo e divulgação das mulheres nas ciências, escreva e envie para a equipe do Programa Mulher e Ciência pelo endereço: programamulhereciencia@cnpq.br  

LEDA DAU (1924 - 2011)

  • Leda Dau nasceu em 1924 em Juiz de Fora, Minas Gerais. A família de origem libanesa imigrou para o Brasil no início do século XX em busca de novas oportunidades de vida e de trabalho.  O grupo familiar, composto por avós maternos e paternos e os pais ainda bem jovens, se estabeleceu inicialmente em Santana do Deserto, situada perto de Juiz de Fora, e onde já havia uma comunidade de libaneses, deslocando-se logo depois para Ubá, e em seguida para Juiz de Fora. Tempos depois, Leda, com cerca de 4 anos, a mais nova dentre três irmãos, e o restante da família foram residir em Realengo, um subúrbio do Rio de Janeiro, onde seu pai se instalou como comerciante varejista. 

    Leda cursou o primário numa escola pública no bairro onde residia, ingressou no Ginásio Arte e Instrução, em Cascadura, uma escola particular, e fez científico no Colégio Pedro II, no centro do Rio. Ali, tomou gosto pelas ciências, o que a levou, em 1949, ao curso de História Natural da Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi), da Universidade do Brasil, onde diplomou-se licenciada e bacharel em 1953.

    Apesar de ter feito seu primeiro estágio na Ilha do Pinheiro, no Instituto Oswaldo Cruz, sob a orientação de Lejeune de Oliveira, sua trajetória profissional foi construída e consolidada no Museu Nacional, instituição em que realizou uma longa e bem sucedida carreira profissional, que culminou com sua ascensão, em 1986, à direção dessa instituição centenária. Antes dela, somente uma outra mulher havia ocupado esse cargo - a antropóloga Heloisa Alberto Torres, entre 1938 e 1955.

    A jovem estudante ingressou no Museu, em 1951, como estagiária não remunerada no Serviço de Ecologia, recém-instituído por Fernando Segadas-Vianna, pesquisador da Divisão de Botânica, que inaugurava então uma linha de trabalho original, dedicada ao estudo da ecologia vegetal. Integrado à Divisão de Botânica em 1956, o Serviço também previa o treinamento e a formação de ecologistas. Leda iniciou o estágio aprendendo a lidar com o herbário, e a identificar plantas com o microscópio. Em seguida, ela e outros jovens estudantes foram recrutados para atuar em um projeto de pesquisa graças ao financiamento e a bolsas concedidos pelo CNPq. Essa investigação, intitulada Levantamento Ecológico da Vegetação dos Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, tinha como alvo a então inexplorada planície costeira de Cabo Frio, considerada propícia para estudos mesológicos e de vegetação relacionados à região de restinga.

    Após a finalização desse projeto, Leda mudaria seus interesses de pesquisa, substituindo o estudo de microclimas pelo estudo de sementes, especificamente as cactáceas de restinga, tema que desenvolveria sob a orientação de Luiz Gouvêa Laboriau, biólogo reconhecido internacionalmente pela expertise em germinação de sementes. Foi em seu laboratório no Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UNB), equipado com câmaras de germinação de que o Museu não dispunha, que Leda realizou suas primeiras experiências com as cactáceas. 

    Em 1957, ela prestou concurso para o cargo de naturalista-auxiliar interino, sendo efetivada na função dois anos depois. Em 1960 foi promovida à botânica do quadro permanente do Ministério da Educação e Cultura, e em 1968, por ocasião da Reforma Universitária, passou para o cargo de professora titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    Leda iniciou sua atividade como docente em 1967, atuando no Museu Nacional, no curso de aperfeiçoamento do Departamento de Botânica, e na pós-graduação em botânica, que coordenou entre 1983 e 1985; foi professora visitante no Laboratório de Fisiologia Vegetal do Instituto de Ciências Biológicas/UNB, a convite do Luiz Gouvêa Labouriau (1972-1973), e ministrou a disciplina  ¿Ecologia e Germinação de Sementes¿, entre 1973 e 1978, na Universidade Federal do Rio de Janeiro no curso de biologia.

    Às atividades de pesquisa e docência, Leda somou a de administração científica, iniciada com a chefia do Laboratório de Botânica (1962-1969), e seguida pela chefia da Divisão de Botânica, que assumiu em 1969 e em que permaneceu até 1976, quando foi indicada pela Congregação do Museu para ocupar o cargo de vice-diretora. Entre 1980 e 1982, assumiu o cargo de diretora pro tempore, e em 1986, concorreu à direção da instituição, sendo a mais votada de uma lista tríplice. O mandato se encerrou em 1989, e em 1994, aposentou-se.

    Membro do Conselho de Pesquisas da UFRJ (1964-1970), Leda era filiada à Sociedade Botânica do Brasil, e a Sociedade Brasileira de Agronomia, além de ser membro da Sociedade dos Amigos do Museu Nacional e da Fundação Brasileira para Conservação da Natureza. Ela faleceu em 2011.

    Publicações

    Dau, Leda. Microclimas das restingas do Sudeste do Brasil, 1: restinga interna de Cabo Frio. Archivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, v.50. 1960.

    Segadas-Vianna, Fernando; Ormond, Wilma; Dau, Leda (Ed.). Flora ecológica de restingas do Sudeste do Brasil. 23 v. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 1965-1978.

    Dau, L.; Salles, Heliane G.  Bibliografia brasileira sobre sementes, I. Rio de Janeiro, [s.n.], 1981. Brasil, Museu Nacional, Boletim.

    Fontes:

    Azevedo, N. ; Cortes, B. A. Sa, M. R. . Um caminho para a ciência: a trajetória da botânica Leda Dau. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 15, p. 209-229, 2008; .

    Autoria: Nara Azevedo

    Doutora em Sociologia, professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências /Casa de Oswaldo Cruz-Fiocruz.