Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Acacia Pinheiro Caruso Neves

Ciências Biológicas

Biofísica
  • papel de cininas e angiotensinas na inflamação crônica e disfunção vascular durante a malária grave
  • A malária causada pelo Plasmodium falciparum é considerada a forma mais severa e fatal da doença em humanos, induzindo mais de meio milhão de mortes por ano. Os sintomas clínicos que caracterizam a doença grave incluem: elevada carga parasitária (>5%), hipoglicemia, convulsões, vômitos repetidos, anemia, insuficiência renal aguda, disfunção hepática, edema pulmonar, hemoglobinúria, distúrbios hemorrágicos e de coagulação e malária cerebral (MC). A MC é uma síndrome neurológica complexa e representa um grande problema de saúde pública. A doença renal associada a malária também tem sido considerada fator de morte em pacientes infectados. Os mecanismos de patogênese da doença grave ainda não estão estabelecidos, mas é bem aceito que depende tanto do parasito como de fatores do hospedeiro, neste caso, incluindo o sequestramento de eritrócitos infectados na microvasculatura, resposta imune do hospedeiro, disfunção endotelial e formação de edema. O modelo murino de malária P. berghei ANKA será utilizado para avaliar os efeitos dos componentes dos sistemas Renina-Angiotensina (SRA) e calicreína-cinina (SCC), no estabelecimento da malária grave, com enfoque nas propriedades inflamatórias, na disfunção endotelial e na evolução da resposta imune do hospedeiro. A compreensão dos mecanismos moleculares envolvidos nestas interações parasita/hospedeiro irá facilitar a determinação de elementos chaves para uma possível intervenção terapêutica. Além disso, os resultados aqui obtidos poderão ser extrapolados no contexto de outras doenças parasitárias.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Amélia Cardoso Rodrigues

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • eficácia da terapia de integração sensorial de ayres no tratamento de crianças com transtorno do espectro do autismo
  • De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais-Quinta Edição (DSM-V, American Psychiatric Association APA, 2014), o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento que se manifesta nos primeiros anos de vida, em geral, antes de a criança ingressar na escola, caracterizado por déficits persistentes na comunicação social e na interação social em diversos contextos, incluindo déficits na reciprocidade social, em comportamentos não verbais de comunicação para interação social e em habilidades para desenvolver, manter e compreender relacionamentos. Para o diagnóstico é necessária a presença de padrões repetitivos e restritos de comportamento, interesses e atividades, incluindo hiper ou hiporreatividade à entrada sensorial ou interesses atípicos em aspectos sensoriais do meio ambiente (por exemplo, fascínio com luzes ou movimento, versão a texturas, resposta auditiva excessiva), que prejudicam o desempenho em atividades diárias. Houve fusão do transtorno autista, transtorno de Asperger e transtorno global do desenvolvimento no transtorno do espectro autista, em relação ao DSM-IV para o DSM-V, deste modo, os sintomas representam um continuum único de prejuízos com intensidades que vão de leve a grave nos domínios de comunicação social e de comportamentos restritivos e repetitivos, não sendo mais variações do transtorno, mas gravidade do TEA. Estudaram indicam crescente número de crianças diagnosticadas com TEA, Baio et al. (2014) pesquisaram 11 cidades localizadas no Estados Unidos da América e levantaram que 1 a cada 59 crianças foram diagnosticadas com TEA aos 8 anos de idade, este índice foi maior do que nos estudos anteriores. Sendo necessários investidos em saúde pública para traçar estratégias de diagnóstico precoce e também com as finalidades de alcançar os fatores de risco, as necessidades comportamentais, educacionais e também ocupacionais dessa população. As questões de processamento sensorial são comuns nos indivíduos com TEA, estimam-se que cerca de 40% a 90% das crianças autistas apresentam dificuldades na integração sensorial (BARANEK, et al., 2014). De acordo com Ashburner, et al (2014), as respostas sensoriais incomuns podem impactar a participação nas atividades de vida diária (AVDs). As principais AVDs prejudicadas pelos padrões sensoriais incomuns são dormir, vestir-se, comer, participar de brincadeiras e participar de atividades de lazer e atividades escolares (CHEIEN, et al, 2016; MAZUREK, PETROSKI, 2015; MILLER HUHANECK, BRITNER, 2013). Para Minatel e Matsukura (2014) os familiares enfrentam claramente os impactos na inserção social, não só da criança/adolescente com TEA, mas de seu núcleo familiar como um todo condicionando a qualidade de vida e o bem estar de todos no dia a dia. As atividades de vida diárias são objetos de estudos dos terapeutas ocupacionais, e na população autista, a abordagem de Integração Sensorial de Ayres é frequentemente aplicadas pelos terapeutas ocupacionais. A Integração sensorial é “o processo neurológico que organiza as sensações do próprio corpo e do ambiente fazendo com que seja possível o uso do corpo efetivamente no ambiente”, (SCHAAF, ROSEANN C. et al, 2018 APUD AYRES, 1989). Para Schaaf, Roseann C, et al, (2018), “a fidelidade aos preceitos básicos preconizados por Ayres é essencial para assegurar que a intervenção, embora possa parecer questão irrelevante, a ausência de lealdade aos elementos estruturais e processuais vem repercutindo em equívocos no âmbito da produção científica e possivelmente da prática clínica”. Deste modo, técnicas sensoriais específicas são incorporadas em sessões de terapia para apoiar a participação da criança nas AVDs (PARHAM et al, 2011). A criança estará apta a receber o estímulo sensorial, registrá-lo, orientar-se perante ele, interpretá-lo, organizar uma resposta adaptativa e executá-la reduzindo os desafios relacionados ao processamento sensorial. O objetivo geral do estudo é analisar a eficácia da terapia de Integração Sensorial de Ayres no desempenho de atividades de vida diária e participação de crianças em idade pré escolar diagnosticadas com TEA.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Augusta Ferreira de Freitas

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • análise longitudinal do desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito
  • A presente pesquisa justifica-se à medida que se propõe a gerar evidências empíricas únicas das variáveis que explicam o desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito no Brasil. Para além do que se se tem feito até o momento, inclui-se neste projeto o efeito inédito do tempo, compreendendo a natureza das dinâmicas de médio e longo prazo. O objetivo geral é avaliar quais variáveis impactam no desempenho de negócios apoiados por programas de microcrédito e o efeito do tempo nesta relação. De forma a gerar evidências empíricas sobre o tema, serão utilizados dados de um Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste do Brasil, o maior banco de desenvolvimento da América Latina, com mais de 3 bilhões de reais em empréstimos a mais de 2 milhões de tomadores em 2017. Para esta pesquisa foram disponibilizadas informações de cerca de 200.000 (duzentas mil) operações ao longo de 15 anos. Técnicas estatísticas de modelagem de dados em painel e técnicas de segmentação dinâmica serão utilizadas para compreender a evolução de diferentes segmentos atendidos pelo Programa ao longo do tempo.
  • Universidade Estadual do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carina Tamanaha

Ciências da Saúde

Fonoaudiologia
  • reconhecimento de padrão pré-verbal e verbal para predizer a necessidade de implementação do picture exchange communication system – pecs em crianças autistas
  • Objetivo: Este estudo propõe investigar os padrões de comportamento pré-verbal e verbal no Transtorno do Espectro Autista (TEA), com intuito de reconhecermos um coeficiente que seja capaz de predizer mais facilmente a necessidade de implantação do Picture Exchange Communication System – PECS em crianças autistas que estejam iniciando a intervenção terapêutica fonoaudiológica na primeira infância. Metodologia: Trata-se de estudo longitudinal. A amostra será constituída por crianças de ambos os gêneros, na faixa etária de 3 a 5 anos, avaliadas e diagnosticadas por equipe multidisciplinar com TEA, segundo os critérios do DSM-5 e atendidas por meio da parceria interdisciplinar e interdepartamental dos Departamentos de Fonoaudiologia, de Psiquiatria e Psicologia Médica e da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, todos da UNIFESP. As crianças serão avaliadas clinicamente e realizarão avaliações fonoaudiológica e cognitiva. Trechos das sessões de avaliação fonoaudiológica serão analisadas e transcritas pela ferramenta ELAN. As crianças serão acompanhadas e após doze meses de intervenção terapêutica fonoaudiológica seus padrões pré-verbal e verbal serão reavaliados para obtenção do coeficiente preditivo. Resultados: A partir da análise dos resultados acreditamos que será possível contribuir com a construção de práticas baseadas em evidências que possam ser implementadas em serviços de assistência às crianças com TEA
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Amorim Orrico

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • compostagem de resíduos orgânicos em leiras estáticas: uso da aeração forçada na eficiência do processo e de aditivos na mitigação das perdas de n
  • Um dos métodos mais utilizados para o tratamento e reciclagem de resíduos orgânicos sólidos é a compostagem, por ser uma técnica que envolve baixo custo e pode ser realizada em diferentes escalas, gerando como benefícios a redução do material poluente, de microrganismos patogênicos e a obtenção de um fertilizante orgânico, que pode retornar ao sistema produtivo, agregando valor e reduzindo o custo com os fertilizantes químicos. Porém, muitos resíduos possuem condições que não permitem a manipulação durante a fase inicial de degradação, e assim surge a necessidade de que o processo seja desenvolvido em pilhas estáticas, no entanto, é essencial que mesmo sem o revolvimento da massa em compostagem haja aeração suficiente, garantindo assim a eficiência desta técnica. Assim surge o primeiro objetivo desta proposta, que será avaliar a compostagem em leiras estáticas, aeradas e não aeradas, conduzidas no inverno e verão, utilizando quatro resíduos orgânicos (peixe, restaurante, incubatório e abatedouro de ruminantes) em associação com feno e casca de arroz. Como uma das maiores preocupações deste processo é a perda de N durante a compostagem, a partir dos resultados obtidos com a condução da primeira etapa experimental, será desenvolvido o segundo ensaio, no intuito de verificar a eficiência da glicerina bruta e biocarvão na retenção de N. Para condução da primeira etapa experimental será adotado o DIC em esquema fatorial 4 x 2 x 2, formado por 4 resíduos orgânicos (produto da filetagem de peixe, descarte do restaurante universitário, descarte de abatedouro bovino e ovino e ainda, o resíduo de incubatório de ovos para a produção de pintos de 1 dia), compostados com e sem aeração e em duas estações do ano (verão e inverno), obtendo-se assim 16 tratamentos, com 2 repetições (leiras). Será utilizado material absorvente na formação das leiras, empregando-se a relação de 3,0 a 3,5:1 (massa:massa) entre resíduo orgânico e este material. Diariamente serão mensuradas as temperaturas das leiras e promovida a aeração nas leiras que terão esta condição (o fluxo de ar será de 0,9 L. min -1), semanalmente serão acompanhados os teores de umidade, efetuando a determinação dos ST (sólidos totais). Quando as temperaturas começarem a apresentar declínio as amostras coletadas para a determinação de umidade também serão utilizadas para a análise de Carbono, com o intuito de avaliar as perdas da fração orgânica; com essas amostras também serão medidos: pH, condutividade elétrica e determinados os números mais prováveis de coliformes totais e termotolerantes e dos teores de sólidos voláteis (SV) e N. A amônia será quantificada nos primeiros 20 dias de compostagem. No material inicial e final da compostagem também serão determinados o extrato etéreo (EE) e os constituintes fibrosos (FDN, FDA, celulose, hemicelulose e lignina). Com o composto será realizado o teste do índice de germinação (IG) e a determinação das concentrações dos ácidos fúlvicos e húmicos, além da quantificação dos teores de P e K. Para a segunda etapa será adotado também o DIC em esquema fatorial, sendo composto por: 1 tratamento selecionado na primeira etapa (condição onde foi perdida a maior quantidade de N) x 2 aditivos (biocarvão e glicerina bruta) x 3 doses de inclusão de cada subproduto (0, 5 e 10% da massa enleirada), totalizando assim 6 tratamentos, com 20 repetições (bolsas de incubação) para cada um deles. Para a incubação destas bolsas serão confeccionadas 5 leiras, promovendo-se a incubação de 4 bolsas de cada tratamento em cada uma das leiras, totalizando assim 24 bolsas por leira. As leiras de compostagem serão confeccionadas como descritas na etapa 1, utilizando-se camadas de material volumoso e do resíduo orgânico, podendo ou não conter aeração e também ocorrer no verão ou inverno. As bolsas de nylon terão capacidade para 3 kg da seguinte mistura: material absorvente (casca de arroz e feno de gramínea moído na proporção de 20:80, respectivamente) e resíduo orgânico na proporção de 3 a 3,5:1 (massa:massa), respectivamente, além dos aditivos biocarvão e glicerina bruta nas doses que serão utilizados. As bolsas serão acomodadas entre as camadas de formação das leiras sendo avaliados no início e final do processo: massa dentro das bolsas, teores de ST e SV, pH, condutividade elétrica, coliformes totais e termotolerantes, constituintes fibrosos (FDN, FDA, celulose, hemicelulose e lignina), teores de C, N, P e K. No composto será avaliado os ácidos húmicos e fúlvicos, além do índice de germinação. O tempo de incubação das sacolas, e consequentemente manutenção das leiras, será o mesmo tempo demandado na fase 1 pelo resíduo que será avaliado.
  • Universidade Federal da Grande Dourados - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Badalotti Passuello

Engenharias

Engenharia Civil
  • avaliação de impactos incorporados e operacionais do ciclo de vida de edificações
  • Nos últimos anos, o Brasil experimentou um crescimento em sua demanda imobiliária, que conduziu ao incremento dos impactos ambientais potenciais associados ao setor construtivo nacional. Muitos destes impactos podem ser reduzidos através de melhores práticas de gestão ao longo do ciclo de vida das edificações. Diferentemente de bens de consumo comuns, uma edificação possui uma larga duração ou ciclo de vida, que abrange sua construção, uso e demolição (desmantelamento). Para uma correta avaliação dos impactos relacionados a edificações, é necessária uma metodologia que englobe todas as fases do seu ciclo de vida e suas interações. Por isso, o presente projeto propõe a aplicação da ferramenta de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) para a determinação dos impactos ambientais potenciais associados ao setor construtivo nacional. Cabe salientar que os impactos relativos ao ciclo de vida de produtos e processos estão altamente relacionados a características locais do estudo, devido, por exemplo, a diferenças encontradas nos processos produtivos e na matriz energética de distintos países. A carência de estudos de ACV no Brasil valida a relevância desta proposta. Assim sendo, o principal objetivo deste projeto é comparar os impactos ambientais incorporados e operacionais de tipologia(s) de edificação significativa(s) para a realidade brasileira, através da ACV. Para tanto, o projeto se desenvolverá em duas escalas. Numa escala mais ampla, serão realizadas avaliações comparativas dos impactos incorporados e operacionais de edificação(ões) padrão brasileira(s). Em escala menos ampla, serão avaliados os impactos incorporados de materiais de construção inovadores em comparação a soluções tradicionais, considerando seus parâmetros de desempenho. Os resultados deste projeto confrontarão o desempenho ambiental dos produtos, sistemas e tipologias avaliados, permitindo aos profissionais da área escolhas mais conscientes em relação à gestão ambiental da construção civil. Será promovida uma colaboração interdisciplinar com os projetos desenvolvidos e em desenvolvimento na Universidade, com vistas ao fortalecimento da temática de pesquisa em ACV do ambiente construído, contribuindo na produtividade do Departamento Interdisciplinar e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil: Construção e Infraestrutura da UFRGS em que está inserido, uma vez que se atuará na capacitação de profissionais no uso da ferramenta ACV, bem como outras ferramentas de gestão ambiental. Finalmente, este projeto pretende fortalecer as linhas de pesquisa inseridas neste Departamento, e sua colaboração com a indústria, universidades e centros de pesquisa, no Brasil e no exterior.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Bertoletti De Marchi

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • e-lifestyle: uma solução e-health para monitoramento das condições de saúde de pacientes hipertensos
  • A hipertensão arterial possui como complicação a doença cardiovascular, considerada a principal causa de morte em todo mundo e com custos de internações hospitalares elevados. O tratamento e a gestão da hipertensão englobam intervenções associadas ao controle nutricional, atividades físicas, controle do stress, entre outros fatores relacionados ao estilo de vida. Neste contexto, as soluções e-Health têm atraído um número crescente de usuários, motivados, principalmente, pelo aumento do interesse no monitoramento de suas condições de saúde. Este projeto tem como objetivo avaliar os efeitos do uso do sistema e-LifeStyle na melhoria das condições de saúde de pacientes hipertensos atendidos na rede pública de saúde. Para tanto, é necessário, inicialmente, desenvolver uma versão funcional do protótipo existente, incluindo módulos para controle nutricional, configurações gerais, gestão do paciente para o profissional da saúde, integração com dispositivos móveis e vestíveis; e um aplicativo para Smartphone e Tablet Android para o paciente e médico. O e-Lifestyle visa auxiliar hipertensos no tratamento da doença, a partir do monitoramento do peso, circunferência abdominal, altura, sono, humor, pressão arterial e prática de atividades física. O protótipo foi desenvolvido em nuvem computacional, com coleta os dados a partir de um aplicativo móvel e permite a gestão e integração entre profissional da saúde e paciente por meio de um conjunto de interfaces web. Para avaliar o efeito do uso do e-Lifestyle nas condições de saúde do paciente hipertenso, serão convidados 30 usuários da rede pública de saúde, atendidos no Hospital da Cidade de Passo Fundo (HC) e nas Unidades Básicas de saúde Jerônimo Coelho e 10 Centenário, ambas do munícipio de Passo Fundo. Trata-se de um ensaio clínico randomizado em que os participantes serão avaliados antes e depois de um período de três meses de intervenção, a partir de instrumentos específicos e exames clínicos. Os dados de caráter quantitativo serão analisados por meio do software estatístico SPSS versão 18.0. Para todas as análises será considerado o nível de significância de 5%. Espera-se que a solução desenvolvida, depois de avaliada, seja passível de ser escalonada para o SUS e que os resultados obtidos contribuam com as áreas da computação e da saúde. Na saúde, ao promover a avaliação de risco, auxiliar na mudança de comportamento e, com isso, favorecer a saúde pública, possibilitando a redução dos custos do tratamento e internações. Na computação, o maior desafio é a integração de diferentes tecnologias computacionais de hardware e software, para viabilizar o escalonamento aos pacientes hipertensos do SUS.
  • Universidade de Passo Fundo - RS - Brasil
  • 10/11/2018-30/11/2021
Foto de perfil

Ana Carolina Cintra Nunes Mafra

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • regulação em saúde: fatores relacionados à resolutividade na atenção básica
  • A atenção básica como ordenadora da rede de atenção à saúde deve ser resolutiva, capacitada para atender a maior parte dos problemas da população e ser o centro de comunicação, ordenando fluxos e contrafluxos de pessoas, produtos e informações. Objetivos: Identificar as condições facilitadoras e limitantes para a resolutividade das Equipes de Saúde da Família e verificar a associação entre elas. Método: Estudo observacional, transversal com abordagem quantitativa. Será desenvolvido em 13 Unidades Básicas de Saúde, localizadas na região da Supervisão de Saúde do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. Os instrumentos utilizados serão: Primary Care Assessment Tool (PCATool- Brasil) para medir a avaliação dos atributos da Atenção Primária à Saúde das Equipes de Saúde da Família; formulário estruturado para verificar a utilização de protocolos para encaminhamentos para a atenção secundária; formulário para identificar o perfil de morbidade dos pacientes e o perfil dos profissionais encaminhadores; e Workload Indicators Staffing Need (WISN), método utilizado para calcular a carga de trabalho dos profissionais. A associação entre as variáveis será analisada por correlações e ajustes de modelos mistos. Resultados esperados: apresentação de evidências sobre as condições facilitadoras e limitantes para a resolutividade das equipes da Estratégia de Saúde da Família, subsidiando a gestão do sistema de saúde na busca da integralidade.
  • Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Esteves da Silva Pereira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • avaliação do modelo de atenção à saúde para da população em situação de rua vivendo com hiv/aids no distrito federal
  • Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016 foram infectadas com HIV/AIDS 36,7 milhões de pessoas no mundo com cerca de um milhão mortes por causas relacionadas a este vírus. No Brasil, de 2007 até junho de 2017, foram notificados 194.217 casos de novas infecções pelo HIV sendo que entre 1980 até 2016, foram notificados 316.088 óbitos tendo a HIV/AIDS como causa básica. A partir de meados da década de 1990, o Brasil instituiu o acesso gratuito ao diagnóstico e ao tratamento para o HIV/AIDS, por meio do SUS. No entanto, apenas em 2016, por meio da portaria nº 204 de 17 de fevereiro de 2016, a infecção pelo HIV e a AIDS passaram a fazer parte da Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças fatos estes, de relevante impacto nas políticas públicas de tratamento da doença. No contexto do HIV/AIDS a população em situação de rua (PSR) é um grupo de alta vulnerabilidade e fator de risco, o que contribui para altas taxas de morbidade e mortalidade em comparação com a população em geral. A realidade do Distrito Federal (DF) da PSR é a mesma vivida no resto do Brasil, que apesar de contar com uma das maiores rendas per capita do País também tem um índice de desigualdade semelhante aos países africanos (IDH = 0,824). No Brasil a PSR não faz parte do CENSO, nem da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - (PNAD) e outros dados oficiais também são escassos sobre essa população. No entanto, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) realizou, em 2015 uma estimativa da PSR no Brasil em 1.924 municípios concluindo que existem 101.854 pessoas em situação de rua. Apesar destas evoluções, a quantificação desta população ainda é incerta, no DF, mas parece estar em crescimento. Compreendendo esta problemática, é necessário analisar o cenário do DF a fim de construir um modelo de atenção que permita a reflexão dos gestores e servidores responsáveis pela assistência prestada à esta população. Neste sentido, este projeto visa caracterizar o modelo de atenção em saúde no manejo da infecção pelo HIV/AIDS na PSR do Distrito Federal. Para tanto será realizado um estudo primário de análise da política pública, com triangulação de métodos. A caracterização clínica epidemiológica e da linha de cuidado será feita apenas considerando adultos (indivíduos com idade igual ou superior à 18 anos) em situação de rua no Distrito Federal. Será realizada uma revisão sistemática para a identificação de estratégias de manejo do HIV na população em situação de rua, com o objetivo de identificar estratégias para a otimização da detecção, tratamento e acompanhamento. O protocolo da revisão será registrado na plataforma PROSPERO da Universidade de York. Também será realizado um estudo descritivo do tipo exploratório, com emprego da técnica de observação indireta através da análise retrospectiva das fichas de atendimento, prontuários e fichas de notificação dos casos de infecção por HIV em pessoas em situação de rua no Distrito Federal, tal como entrevistas com os profissionais de saúde que realizem o atendimento direto à população em situação de rua nesta localidade. Para a construção da linha de cuidado será construído a priori modelo teórico-normativo. Para a validação do modelo teórico-normativo e da linha de cuidado para a PSR que vive com HIV/AIDS no DF será realizado dois grupos-focais, com profissionais que atuam ou atuaram em atividades relacionados a atenção à população de rua, ou representantes da sociedade civil que pudessem contribuir por sua expertise em relação às pessoas em situação de rua. Os aspectos legais e éticos desta pesquisa irão obedecer a Resolução 196/96 e 466/2013 da CONEP (Comissão Nacional de Ética em Pesquisas). Dados de prontuários serão necessários para análise dos dados clínicos. Serão realizadas entrevistas com gestores do sistema de saúde pública e da rede de proteção social identificada. As entrevistas serão realizadas para todos esses atores envolvidos com a população, com o objetivo de obter a estrutura e fluxograma detalhado de atenção a essa população. As entrevistas também irão complementar dados de efetividade (desfechos clínicos e epidemiológicos), em que as fontes de informação secundárias estiverem inexistentes ou incompletas. Os resultados esperados com este projeto permeia as estratégias direcionadas ao manejo da população em situação de rua do Distrito Federal que vivem com HIV/AIDS e permitem um foco maior na implementação de programas, sendo importante para sustentabilidade do sistema de saúde, principalmente nos que garantem a universalidade, integralidade e gratuidade, fazendo com que esta população seja acolhida sem discriminação, participando ativamente do autocuidado, e facilitando a adesão, a prevenção da transmissão do vírus, evitando a evolução para aids, reduzindo a mortalidade pela doença e aumentando a qualidade de vida.
  • Fundação Oswaldo Cruz - DF - Brasil
  • 04/07/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Carolina Fernandes

Ciências da Saúde

Nutrição
  • validação de modelo de informação nutricional qualitativa em restaurantes comerciais do sul do brasil
  • O setor de alimentação fora de casa constitui ambiente propício para a aplicação de inciativas promotoras da alimentação saudável. Uma das estratégias adotada por restaurantes comerciais e coletivos é a provisão de informação nutricional sobre as preparações culinárias oferecidas ao público. Nos Estados Unidos da América, único país em que a informação nutricional em restaurantes é obrigatória, bem como na maior parte de estudos realizados em outros países, o foco tem sido no conteúdo de calorias. Parte-se do pressuposto que a informação de calorias auxiliaria a reduzir as calorias consumidas nos restaurantes e, consequentemente, auxiliaria na perda de peso. No entanto, revisões sistemáticas da literatura não encontraram os resultados esperados pela disponibilização da informação quantitativa de calorias em ambientes reais de restaurantes, apenas de informações qualitativas. Corroborando, demais estudos qualitativos no Brasil e no reino Unido e um ensaio controlado randomizado realizado no Sul do Brasil concluíram que a informação nutricional qualitativa contendo lista de ingredientes e símbolos de alerta são as mais solicitadas e mais efetivas para a realização de escolhas alimentares saudáveis em restaurante. Entretanto, foi realizado teste em apenas um dia, sem manter a informação. Ainda, ressalta-se a importância de disponibilizá-las concomitante a modificações e padronização das preparações, sensibilização dos funcionários e proprietários dos restaurantes, para assim, tentar garantir que as alterações sejam permanentes e que as informações nutricionais resultantes do processo sejam disponibilizadas de forma fidedigna. Nesse sentido, ressalta-se a importância de validar modelos de informação nutricional não apenas com comensais, mas com proprietários e funcionários dos restaurantes, para que sua aplicação seja efetiva. Assim, propõe-se aplicar o modelo de informação nutricional qualitativa uma rede de restaurante comercial com autosserviço, em grupos intervenção e controle heterogêneos, alocados em diferentes unidades, avaliando a quantidade de preparações realmente escolhidas a partir de um cardápio padronizado, por cinco dias seguidos antes da intervenção, durante a intervenção e três meses após sua implantação, avaliando também a viabilidade de implantação a partir da perspectiva dos gestores e funcionários. Para tanto, será desenvolvido estudo quantitativo e experimental do tipo ensaio controlado não randomizado, ou quasi-experimento, antes e depois, cego e de grupos paralelos. O estudo será realizado em 8 etapas: 1) seleção de rede de restaurantes comerciais do tipo bufê autosserviço; 2) definição dos cardápios padronizados nos locais e classificação das preparações conforme critérios de alimentação saudável; 3) diagnóstico das porções médias de preparações escolhidas no bufê nos restaurantes controle e intervenção (Tempo 0 – T0); 4) implantação do modelo de informação nutricional no restaurante intervenção; 5) cálculo das porções médias de preparações escolhidas no bufê e das diferenças entre porções médias após intervenção nos restaurantes controle e intervenção (Tempos 1 e 2 – T1 e T2); 6) Comparação dos tipos e das quantidades de preparações escolhidas antes e depois e entre grupos controle e intervenção (T0, T1 e T2); 7) Avaliação da opinião de comensais, gestores e funcionários do restaurante intervenção sobre a disponibilização das informações nutricionais (T1 e T2); e 8) Formulação de recomendações para implantação de informações nutricionais em restaurantes. Destaca-se o potencial da implantação dos resultados para a saúde pública, visto que os restaurantes são cada vez mais identificados como ambientes onde os hábitos para um melhor estilo de vida podem ser promovidos. Portanto, qualquer iniciativa para restaurantes informarem e incentivarem uma melhor tomada de decisão entre pessoas motivadas poderia desempenhar um papel significativo na promoção de saúde.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022