Pular para o conteúdo

Critérios de Julgamento dos Comitês de Assessoramento

São mais de 300 pesquisadores, entre titulares e suplentes, selecionados de acordo com sua área de atuação e conhecimento. Eles são escolhidos periodicamente pelo Conselho Deliberativo (CD) , com base em consulta feita à comunidade científico-tecnológica nacional e têm a atribuição, entre outras, de julgar as propostas de apoio à pesquisa e de formação de recursos humanos. Conheça as normas, os membros e os critérios de julgamento dos CAs.

ATENÇÃO: A Resolução Normativa que rege as Bolsas de Produtividade em Pesquisa (RN 016/2006), foi recentemente alterada.
 
Os critérios de julgamento das Bolsas de Produtividade em Pesquisa poderão levar em consideração, além das especificidades da área:
 
- Mérito científico do projeto; relevância, originalidade e repercussão da produção científica do proponente; formação de recursos humanos em pesquisa; contribuição científica, tecnológica e de inovação, incluindo patentes; coordenação ou participação em projetos e/ou redes de pesquisa; inserção internacional do proponente; participação como editor científico; gestão cienti¿fica e acadêmica.
 
Também deverão ser considerados, na análise das propostas, quando pertinente:
 
- Foco nos grandes problemas nacionais; Abordagens multi e transdisciplinares; Impacto social; Comunicação com a sociedade; Interação com o parque produtivo; Conservação Ambiental e Sustentabilidade.
 
Para maiores informações clique aqui (RN 16/2006).

  • Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

    Critérios de Julgamento - CA-MA

    Vigência: 2015 a 2017

    Critérios Gerais

    a) O enquadramento do pesquisador na categoria 1 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 8 (oito) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa. O enquadramento do pesquisador na categoria 2 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 3 (três) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

    b) O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior, no caso da categoria 2, e do decênio anterior, no caso da categoria 1.

    c) Os critérios incluem sua produção científica, formação de recursos humanos, contribuição para a inovação, coordenação ou participação em projetos de pesquisa, participação em atividades editoriais e de gestão científica e administração de instituições e núcleos de excelência  científica e tecnológica.

    d) Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, exclusivamente com a finalidade de adequar a demanda às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq. 

    Critérios Específicos

    No julgamento das solicitações de bolsas de produtividade em pesquisa o CA-MA utiliza os seguintes critérios fundamentais:

    * regularidade das publicações e qualidade dos periódicos;
    * participação na formação de recursos humanos no contexto institucional;
    * especial atenção aos jovens com claro potencial para se tornarem lideranças.

    As seguintes são condições necessárias ou mínimas que os detentores de bolsa de produtividade em pesquisa devem satisfazer, em cada nível:

    1A - Pesquisador ativo, de reconhecida liderança tendo orientado teses de Doutorado. Na sua contribuição científica devem existir resultados que o identifiquem como uma autoridade internacional. Esta posição só pode ser ocupada após análise pelo CA- MA, de pelo menos 2 (dois) pareceres sigilosos por matemáticos/probabilistas/estatísticos que sejam autoridades da área no mundo.

    1B - Pesquisador ativo, com capacidade de orientar teses de Doutorado e reconhecido como uma autoridade científica na sua área de atuação. Deve desempenhar papel importante em algum grupo de pesquisa de reconhecida qualidade.

    1C - Pesquisador ativo e independente, com capacidade de orientar teses de Doutorado, produção científica reconhecida e potencial para se tornar uma autoridade científica na sua área.

    1D - Pesquisador ativo, com publicações periódicas em excelentes revistas e mostrando capacidade de orientar teses de Doutorado, evidenciada pela profundidade e abrangência dos seus trabalhos de pesquisa.

    2 - Pesquisador ativo, com publicações que evidenciem uma carreira em ascensão e consistente com a sua faixa de senioridade.

  • Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

    Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

    Critérios de Julgamento (CA-QU)

    Vigência: 2015 a 2017

     

    Critérios Gerais para Bolsas de Produtividade em Pesquisa

    a) O enquadramento do pesquisador na categoria 1 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 8 (oito) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa. O enquadramento do pesquisador na categoria 2 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 3 (três) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

    b) O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior, no caso da categoria 2, e do decênio anterior, no caso da categoria 1.

    c) Os critérios incluem sua produção científica, formação de recursos humanos, contribuição para a inovação, coordenação ou participação em projetos de pesquisa, participação em atividades editoriais e de gestão científica e administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica.

    d) Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, exclusivamente com a finalidade de adequar a demanda às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq.

     

    1. Critérios Específicos para Concessão de Bolsa

    Na avaliação do mérito e das competências que justifiquem a entrada e/ou manutenção de pesquisador no quadro de bolsistas de produtividade do CNPq, o CA-QU considerará os seguintes indicadores:

    a) A produção do pesquisador nos últimos cinco anos para a categoria 2, e nos últimos 10 anos para a categoria 1 (incluído o ano de julgamento), tendo como indicadores principais o número de artigos, o somatório dos índices de impacto das revistas onde seus trabalhos foram publicados, contados um a um (soma dos fatores de impacto), livros e capítulos de livros, e o número de pedidos de privilégios de patente protocolados junto ao INPI ou às agências governamentais de patentes no exterior, como, por exemplo, o USPTO. Como indicadores de apoio, serão considerados o índice de impacto médio de suas publicações, a regularidade e qualidade da produção.

    b) O impacto/repercussão do conjunto de toda a produção científica e tecnológica do proponente, principalmente por meio de índices bibliométricos como o índice h [1], tendo como base de dados o ISI Web of Knowledge, e o número de tecnologias transferidas, patentes concedidas ou licenciadas.

    c) A perspectiva de futuro de suas atividades científicas e tecnológicas, evidenciada pela originalidade, relevância, abrangência, exeqüibilidade e consistência do projeto, considerando-se tanto a avaliação pelos consultores ad hoc quanto aquela realizada pelo CA-QU.

    d) A formação de recursos humanos por meio do índice de orientações concluídas. [2] Como indicador de apoio, poderão ser considerados o índice de impacto e o número de artigos normalizados pelo índice de orientação.

    e) O grau de independência, maturidade e liderança científica do proponente avalizadas por meio da capacidade de gerar ideias inovadoras, estabelecer, consolidar e liderar grupo de pesquisa, coordenar projetos e captar recursos, participação em comitês de órgãos de fomento e de política científica, participação em conselhos editoriais e/ou editorias de revistas científicas reconhecidas, organização de eventos, convites para palestras/conferências em eventos nacionais e internacionais, etc.

     

    2. Níveis & Perfis dos Pesquisadores

    Os indicadores acima são utilizados para a avaliação da área de Química, considerando-se as especificidades das subáreas (Química Inorgânica, Química Orgânica, Físico-Química e Química Analítica), sendo o grau de prioridade definido em função da demanda de cada subárea. Os seguintes perfis serão buscados para a classificação dos pesquisadores nos respectivos níveis.

     

     Pesquisador Nível 2:

                O pesquisador deve apresentar grau de independência científica compatível com o nível; cumprir os critérios de produção e qualidade de produção descritos no item 1, compatíveis com o tempo decorrido desde seu doutoramento; apresentar um projeto de pesquisa inovador, que mostre claramente os desafios científico-tecnológicos e seu potencial de impacto a nível nacional e internacional. Além disso, o solicitante já deve estar participando da formação de recursos humanos por meio da orientação de alunos de pós-graduação e de iniciação científica.

                Na avaliação das propostas na categoria 2 será considerada a produtividade recente do pesquisador (últimos 5 anos, inclusive o ano de julgamento) e as perspectivas de futuro de sua atividade científica respaldada pela originalidade, relevância e consistência do projeto apresentado, considerando-se tanto a avaliação realizada pelos consultores ad hoc quanto pelo CA-QU. Assim, espera-se uma regularidade na produção de artigos (média anual igual ou superior a 2 (dois) artigos indexados por ano, somatória de índices de impacto (¿JCR) superior a 10 (dez)), e índice de orientação mínimo de 3, considerando-se somente a formação de mestres e doutores, nos últimos 5 (cinco) anos. A implantação de grupo de pesquisa e depósitos de pedidos de privilégio de patente protocolados junto ao INPI, ou a agências governamentais no exterior como o USPTO, serão considerados positivamente na avaliação. A qualidade das publicações, medida pelo seu índice de impacto, e o grau de contribuição do proponente na obra, também será ser considerada na avaliação.

     

    Pesquisador Nível 1:

                O pesquisador deve apresentar comprovado grau de independência científica; regularidade e qualidade na produção; projeto abrangente, comprovadamente inovador e de impacto em nível nacional e/ou internacional, destacando os desafios científico-tecnológicos das suas linhas de pesquisa. O solicitante deve estar ativamente engajado na formação de recursos humanos em nível de graduação, pós-graduação e/ou supervisão de pós-doutorandos. Deve apresentar capacidade de captar recursos, coordenar projetos, implantar e liderar grupos de pesquisa. Espera-se ainda que tenha contribuído em atividades de política e de gestão científica (organização de eventos, participação em comitês assessores nacionais e/ou internacionais, sociedades científicas, editorias de revistas científicas, assessorias de órgãos de governos estaduais e nacionais, apresentação de conferências e palestras, etc).

                Para concessão da bolsa de produtividade na categoria 1 , será exigido somatório de índices de impacto dos trabalhos publicados no período (últimos 10 (dez) anos, incluído o ano de julgamento) no mínimo igual a 40 (quarenta), índice h mínimo de 12, e índice de orientação mínimo de 9 considerando-se somente a formação de mestres e doutores, e comprovação de independência científica por meio do estabelecimento e consolidação de grupo/linhas de pesquisa próprios. A classificação nos níveis 1A, 1B, 1C e 1D se baseará principalmente na qualidade do conjunto de sua obra e no impacto de sua contribuição científica-tecnológica e em gestão política-científica.

    Perfil de Pesquisador Nível 1D:

    Pesquisador que já demonstrou ter linha de pesquisa consolidada, independência científica, formação de recursos humanos em nível de mestrado e/ou doutorado, número relevante de trabalhos publicados, e indíce h igual ou superior a 12.

    Perfil de Pesquisador Nível 1C:

    Pesquisador experiente, com reconhecimento nacional e internacional em sua área de atuação, linha de pesquisa abrangente, ter formado número significativo de doutores e publicado número considerável de publicações de qualidade.

    Perfil de Pesquisador Nível 1B:

    Pesquisador com notória experiência científica e reconhecimento nacional e internacional. Deve ter demonstrado uma produção científica original de alto nível, com publicações regulares em bons periódicos e significativa contribuição na formação de recursos humanos e na gestão político-científica. Deve ter participado de programas e projetos científicos relevantes a nível nacional, além de ter contribuído para a criação de grupo de pesquisa com reconhecida competência em nível nacional e internacional.

    Perfil de Pesquisador Nível 1A:

    Pesquisador destacado que, além dos atributos do nível 1B, tenha demonstrado capacidade de liderança científica no País por meio de atividade científica contínua, em nível de excelência, contribuindo para formação de novos cientistas, nucleação de grupos de pesquisa reconhecidos e fortalecimento de Instituições de pesquisa no País.

     

    Observações:

    No sentido de facilitar a análise comparativa e a avaliação pelos assessores ad hoc , os projetos não deverão exceder 10.000 palavras, incluídas as referências bibliográficas e excluídas equações, tabelas, gráficos, figuras e esquemas.

    Nos julgamentos serão consideradas e comparadas apenas as solicitações que participam da chamada em análise.

    O CA-Química poderá tomar decisões excepcionais em casos que julgar pertinentes.

    Somente as informações contidas no CV Lattes congelado [3] do proponente (artigos aceitos e publicados, documentos de patentes, orientações concluídas, índice h, etc) serão considerados na avaliação da proposta. Nota: O CNPq extrai os dados automaticamente do CV-Lattes. Informações imprecisas e/ou erradas são de inteira responsabilidade do pesquisador.

     

    3. Referências

    [1] J. E. Hirsch, An index to quantify an individual's scientific research output , Proc. Natl. Acad. Sciences (USA) 102(46) 16569-16572(2005).

     [2] O índice de orientação é a somatória do número de orientações de alunos de pós-graduação concluídas no período multiplicado pelo peso 1,5 para alunos de mestrado e peso 3,0 para alunos de doutorado. O fator de co-orientação é 0,25.

    [3] "Currículo Lattes congelado" refere-se ao currículo Lattes do pesquisador, tal como se apresentava ao sistema ao fim do último dia do prazo de inscrição.

  • Ciências da Vida

    Critérios de Julgamento - CA-ZT

    Vigência: 2015 a 2017

     

    1. Normas gerais:

    a) O desempenho do pesquisador será avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior, no caso do nível 2, e do decênio anterior no caso dos níveis 1A até 1D.

    b) Os critérios incluirão a produção científica (60%), a formação de recursos humanos (30%) e análise do projeto (10%). Dentro da análise do projeto, julga-se a sua contribuição para a inovação, a coordenação e/ou participação em outros projetos de pesquisa.

    c) A avaliação enfatizará a qualidade da produção científica e tecnológica de acordo com critérios nacionais e internacionais.

    d) Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, exclusivamente com a finalidade de adequar a demanda às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq. 

    e) O item Produção Científica será contemplado com 60% do valor total.

        O item Formação de Recursos Humanos com 30% valor do total.

        O item Projeto de Pesquisa com valor  máximo de 10%

    f) A pontuação dos artigos publicados será realizada levando em conta a classificação Qualis da CAPES para a área de Zootecnia e Recursos Pesqueiros, bem como o nível de impacto de cada artigo medido pelo JCR (citação).

    Tabela 1. Classificação QUALIS da CAPES, peso e cálculo da pontuação para o valor a ser atribuído às publicações dos candidatos à Bolsa de Pesquisa, de acordo com os critérios do CA-ZT.

    Classificação Qualis

    Peso

    Calculo da Pontuação

    A1

    15

    15 + 15 x FI (limitado a 4)

    A2

    13

    13 + 13 x FI

    B1

    9

    9 + 9 x FI

    B2

    5

    5 + 5 x FI

    B3

    3

    3+ 3 x FI

    FI= fator de impacto do artigo (JCR) de acordo com ISI

    g) Pesquisadores classificados como PQ2 por um triênio só poderão progredir, no máximo, para o nível 1D.

    h) Pesquisadores que não são bolsistas PQ só poderão ingressar no nível PQ-2. Isto aplicar-se-á também àqueles pesquisadores que tenham histórico como bolsista do CNPq e que não solicitaram sua renovação no prazo estabelecido.

    2. Requisitos mínimos para os diferentes Níveis

     

    2.1. Requisitos mínimos para acesso ao Nível 2

    Este nível é a porta de entrada convencional para obtenção de Bolsa PQ. Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no quinquênio anterior:

    a)      ter publicado pelo menos 5 (cinco) trabalhos em periódicos científicos qualificados como A1, A2 ou B1;

    b)      ter concluído a orientação de pelo menos 2 (dois) Mestres. Na impossibilidade, devidamente justificada, de orientação de pós-graduação na própria instituição ou em instituições próximas ou associadas, este critério poderá ser substituído pela conclusão da coordenação de pelo menos dois projetos de pesquisa que tenham recebido financiamento de órgãos de fomento (internacional/nacional/estadual) à pesquisa ou pela conclusão de orientação de um mestre, mais a conclusão da coordenação de um projeto de pesquisa;

    c) estar em atividade de pesquisa e de orientação de Mestrando ou Doutorando;

    d) ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa de mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc, e

    e) atingir classificação compatível com a cota de bolsas disponíveis nesta categoria.

     

    2.2. Critérios de acesso ao nível 1D:

    Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no decênio anterior:

    a) ter publicado pelo menos 25 (vinte e cinco) trabalhos em periódicos científicos qualificados como A1, A2 ou B1;

    b) ter concluído a orientação de pelo menos 4 doutores e, ou, mestres. Na impossibilidade, devidamente justificada, de orientação de pós-graduação na própria instituição ou em instituições próximas ou associadas, este critério poderá ser substituído pela conclusão da coordenação de pelo menos dois projetos de pesquisa que tenham recebido financiamento de órgãos de fomento (internacional/nacional/estadual) à pesquisa;

    c) estar em atividade de pesquisa e de orientação de pelo menos 3 doutores e, ou  mestres;

    d) ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa de mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc;

    e) haver disponibilidade de bolsas novas ou liberadas nesta categoria.

     

    2.3. Critérios para progressão os níveis 1C , 1B e 1A:

    Para ser classificado nestes níveis o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos, no decênio anterior:

    a) ter publicado pelo menos 30 (trinta) trabalhos em periódicos científicos qualificados como A1, A2 ou B1, sendo, obrigatoriamente, um em periódico classificado como A, nos últimos cinco anos para 1C, dois em periódicos classificados A para 1B e três em periódicos classificados A para 1A;

    b) ter concluído a orientação de pelo menos 6 doutores e, ou mestres.

    c) estar em atividade de pesquisa e de orientação de 4 doutores e, ou,  mestres;

    d) ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa de mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc, e

    e) atingir classificação compatível com a cota de bolsas disponíveis nesta categoria.

     

    3. Comparações entre os pares da demanda:

    Considerando-se a oferta limitada de bolsas novas e/ou liberadas, serão utilizados como parâmetros de classificação e desempate para todas as Categorias/Níveis, os seguintes critérios, na seguinte ordem de prioridade:

    1. Número de publicações e índice de impacto dos respectivos periódicos científicos

    2. Número de teses de Doutorado orientadas e aprovadas;

    3. Número de dissertações de Mestrado orientadas e aprovadas;

    4. Índice "h" do ISI e Scopus;

    5. Nucleação de grupos de pesquisa;

    6. Qualificação do projeto de pesquisa apresentado na solicitação da bolsa PQ, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc;

    7. Número de Pós-Doutores supervisionados;

    8. Número de orientações de Doutorado em andamento;

    9. Número de orientação de Mestrado em andamento, e

    10. Número de orientações em andamento de bolsistas de Iniciação Científica do CNPq, Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa e outras entidades equivalentes.

    4. Reconhecimento de Notória Liderança Científica:

    Em casos excepcionais, parte dos requisitos mínimos acima poderá ser dispensada e critérios adicionais de comparação entre pares poderão ser utilizados para candidatos que possuem liderança científica amplamente reconhecida pela sua obra. Essa qualidade leva em consideração o fazer escola de pensamento científico, a disseminação nacional e internacional de uma área de investigação e a criação de instituições científicas ou tecnológicas de excelência. Na caracterização desta excepcionalidade serão considerados os seguintes critérios:

    1. Produção científica da carreira;

    2. Impacto da produção científica ou tecnológica, utilizando-se critérios qualitativos e quantitativos;

    3. Contingente de recursos humanos formados em nível de Pós-Graduação (Mestres e Doutores);

    4. Destino dos recursos humanos formados e sua contribuição científica;

    5. Nucleação de grupos de pesquisa;

    6. Atividades de gestão científica e tecnológica e de administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica.

    7. Treinamento de pós-doutorado no exterior.

    Nota: A concessão de excepcionalidade neste caso deverá obrigatoriamente ser apoiada por pelo menos 2/3 dos membros do CA.

    Para os cálculos de indicadores quantitativos serão utilizados: os bancos de dados da Plataforma Lattes do CNPq, Thomson ISI Web of Science, scopus e Qualis CAPES da área de Zootecnia e Recursos Pesqueiros

    As diferentes abreviaturas do nome de determinado pesquisador deverão ser conhecidas pelo CA e pelos técnicos do CNPq para evitar subestimar ou superestimar os parâmetros relacionados.

     

  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

    Critérios específicos

    Área de Ciências Sociais Aplicadas

    Vigência: 2015 a 2017

     

    Considerando que o objetivo da Bolsa de Produtividade em Pesquisa é distinguir o pesquisador, valorizando sua produção científica segundo critérios normativos  estabelecidos pelo CNPq e, pelos seus respectivos Comitês de Assessoramento (CAs) do CNPq, o CA estabelece serão analisadas levando-se em conta a fundamentação teórico-metodológica da proposta, sua originalidade, relevância e exequibilidade. Estabelece ainda como multi e interdisciplinares as propostas que de uma mesma subárea ou de áreas diferentes, bem como entre saberes disciplinares contemplem fenômenos que se colocam nas fronteiras disciplinares e, por isso, exigem uma abordagem teórico-metodológica inovadora que se posicione como interface não só entre disciplinas próximas mas também relativas a conhecimentos não disciplinares.

    Os critérios da área de Ciências Sociais Aplicadas foram estabelecidos com o objetivo de subsidiar a avaliação das solicitações de bolsas de produtividade em pesquisa (PQ) no período.

     

    A classificação dos pesquisadores que tiverem seus projetos aprovados será feita de acordo com os seguintes requisitos, considerados em conjunto, segundo a RN 016/2006, anexo 1, item 1.3.4:

    a) mérito científico do projeto;

    b) relevância, originalidade e repercussão da produção científica do candidato;

    c) formação de recursos humanos em nível de Pós-Graduação;

    d) contribuição científica, tecnológica e de inovação, incluindo patentes;

    e) coordenação ou participação em projetos e/ou redes de pesquisa;

    f) inserção internacional do proponente;

    g) participação como editor científico;

    h) participação em atividades de gestão científica e acadêmica.

     

    Somente quando forem pertinentes deverão ser considerados na análise das propostas:

    a) foco nos grandes problemas nacionais;

    b) abordagens multi e transdisciplinares;

    c) impacto social;

    d) comunicação com a sociedade;

    e) interação com o parque produtivo; e

    f) conservação ambiental.

     

    A distinção entre categorias e níveis é de natureza qualitativa. O pesquisador 1 será avaliado nos últimos 10 anos e o pesquisador 2 nos últimos 5 anos, tendo em vista sua produção científica, cadastrada no currículo Lattes.

     

    A categoria 2 é destinada à entrada e permanência do pesquisador no sistema de Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq, devendo cumprir no mínimo 3 (três) anos, de defesa do doutorado por ocasião da implementação da bolsa e as seguintes exigências de produção científica e formação de recursos humanos nos últimos 5 (cinco) anos: 5 publicações, considerando-se exclusivamente, artigos completos em periódicos especializados, capítulos de livros, organização de livros ou livros autorais; e 1 (uma) orientação de mestrado concluída no país.

    A categoria 1 é destinada aos pesquisadores, com 8 (oito) anos, no mínimo, de doutorado por ocasião da implementação da bolsa, que entre os seus pares e nos dados dos últimos 10 (dez) anos, demonstrem capacidade de formação contínua de recursos humanos. O pesquisador pode ser enquadrado em quatro diferentes níveis (A, B, C ou D), com base comparativa entre os seus pares. A diferenciação entre os níveis A, B, C e D é baseada nos critérios específicos do CA-SA, privilegiando a qualidade e o conjunto da obra do pesquisador. Espera-se ainda que esses pesquisadores categoria 1 tenham gradual inserção nacional e internacional, por meio de palestras e assessorias ad hoc a revistas nacionais e internacionais e de órgãos de financiamento à pesquisa, bem como envolvimento em atividades de gestão científica, incluindo a organização de eventos, participação em comitês assessores estaduais ou nacionais, sociedades científicas, revistas científicas, assessoria de órgãos de governo estaduais ou nacionais, e conferências proferidas a convite e/ou em plenárias de congressos.

     

    Para os níveis C e B, além de uma crescente contribuição à formação de recursos humanos e à produção de ciência e tecnologia, em relação à exigida para a entrada na categoria 1D, será avaliada também a contribuição na  organização de grupos de pesquisa e programas de graduação e pós-graduação de sua instituição. 

    Destes pesquisadores, espera-se que participem de forma significativa em atividades de pesquisa em suas instituições e, no caso dos pesquisadores B, em órgãos de fomento à pesquisa. O nível A é reservado a candidatos que tenham mostrado excelência continuada na produção científica e na formação de recursos humanos, e que liderem grupos de pesquisa consolidados. O perfil deste nível de pesquisador deve, na maior parte dos casos, extrapolar os aspectos unicamente de produtividade para incluir aspectos adicionais que mostrem uma significativa liderança dentro da sua área de pesquisa no Brasil e capacidade de explorar novas fronteiras cientificas em projetos de risco.

     

    Critérios Específicos

    Arquitetura e Urbanismo

    Vigência: 2015 a 2017

     

    Além dos requisitos gerais, são também critérios específicos desse CA:

    ·         os pedidos iniciais de bolsa e os de renovação serão sempre analisados comparativamente, obedecendo-se os parâmetros abaixo elencados;

    ·         liderança acadêmica e reconhecimento institucional.

     

    Detalhamento dos critérios

     

     Projeto de pesquisa

     

    20%

    Produção científica

     

    50%

    Formação de recursos humanos principalmente em nível de pós-graduação

     

    15%

    Contribuição científica, tecnológica e para a inovação

    Coordenação ou participação em projetos de pesquisa,

    Participação em atividades editoriais, de gestão científica, administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica

    Liderança e reconhecimento institucional

    15 %

     

    Projeto de pesquisa - 20%

    ·         apresentar projeto de pesquisa de qualidade, com relevância temática, sólida fundamentação teórico-metodológica e bibliografia atualizada; conforme avaliação feita por consultores ad hoc e referendada pelos assessores da área.

    ·          

    Produção científica - 50%

    ·         inclui produção científica, técnica, didática e artística

    ·         avaliação qualificada da produção, distinguindo a produção individual e qualificando as co-autorias; valorizando a produção que passa por processo de avaliação editorial e/ou de pares; buscando avaliar a repercussão da produção intelectual dentro da área e em áreas afins;

    ·         publicação livros e/ou capítulos de livros;

    ·         publicação de artigos de qualidade em periódicos de relevância para a área, nacionais e internacionais (para a categoria 1), se possível com adoção de critérios Qualis/CAPES;

    ·         publicação de trabalhos completos em Anais de eventos científicos de relevância reconhecida para a Área que tenham passado por rigoroso processo de seleção;

    ·         participação em mesas redondas, realização de palestras e conferências em eventos nacionais e internacionais (para a categoria 1).

    ·         participação em eventos nacionais e internacionais (apresentação de trabalho, comissões organizadoras, comitês de seleção de trabalhos, palestras e mesas redondas, entre outra atividade);

     

    Formação de recursos humanos principalmente em nível de pós-graduação - 15%

    ·         orientação de mestres e/ou doutores, iniciação científica e pós-doutorado;

    ·         atuação em programas de pós-graduação ou instituições de pesquisa reconhecidas e consolidadas

    ·         atuação no fortalecimento de instituições emergentes;

    ·         responsabilidade na formação de pesquisadores em vários níveis.

     

    Os itens a seguir representam 15% da avaliação.

    Contribuição científica, tecnológica e para a inovação 

    ·         desenvolvimento de atividades, práticas e metodologias relevantes e inovadoras nos campos social, tecnológico, instrumental, acadêmico, entre outros;

    ·         qualidade científica, tecnológica e caráter inovador da produção científica e do projeto de pesquisa.

     

    Coordenação ou participação em projetos de pesquisa,

    ·         comprovação de atividade continuada de pesquisa;

    ·         coordenação projetos de pesquisa com resultados divulgados como produção científica;

    ·         atuação no fortalecimento da pesquisa em centros regionais;

     

    Participação em atividades editoriais, de gestão científica, administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica.

    ·         participação de atividades de organização, de comitês de seleção de trabalhos ou de outras atividades conexas em eventos nacionais e internacionais;

    ·         coordenação e/ou direção de instituições acadêmicas e de pesquisa;

    ·         experiência como editor e em comissões editoriais de periódicos, editoras e publicações relevantes para a área;

    ·         participação em órgãos de representação e assessoria/consultoria científica.

    ·          

    Liderança e reconhecimento institucional com efetiva inserção nacional e internacional (principalmente para a categoria 1)

    ·         participação em bancas examinadoras de dissertações e teses; bancas de concurso público;

    ·         participação em comitês científicos de periódicos,

    ·         organização e coordenação de congressos nacionais e internacionais;

    ·         organização e coordenação de convénios nacionais e internacionais e intercâmbio de pesquisadores

    ·         supervisão de estágios de pós-doutorado;

    ·         participação em funções acadêmicas e de pesquisa de interesse coletivo: direção, representação institucional e/ou coordenação exercidas em instituições acadêmicas, associações científicas e órgãos de fomento à pesquisa, atuação como parecerista ad hoc;

    criação e coordenação de linhas e grupos de pesquisa e/ou grupos de trabalho de associações científicas.

     

     

    Critérios Específicos

    Demografia

    Vigência: 2015 a 2017

     

    A área de Demografia estabelece que as propostas apresentadas ao seu CA serão analisadas seguindo os critérios específicos definidos para o CA-SA.

     

     

    Critérios Específicos

    Geografia Física

    Vigência: 2015 a 2017

     

     

    Considerando que o objetivo da Bolsa de Produtividade em Pesquisa é distinguir o pesquisador, valorizando sua produção científica segundo critérios normativos  estabelecidos pelo CNPq e pelos Comitês de Assessoramento (CAs) do CNPq, a área de geografia física estabelece que as propostas apresentadas ao CA de Geografia Física serão analisadas levando-se em conta a fundamentação teórico-metodológica da proposta, sua originalidade, relevância e exequibilidade, além da produção do solicitante. A distinção entre categorias e é de natureza qualitativa e segue os critérios gerais desse Comitê.

     

    A categoria 2 é destinada à entrada e permanência do pesquisador no sistema de Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq, devendo cumprir no mínimo 3 (três) anos de defesa do doutorado por ocasião da implementação da bolsa e as seguintes exigências de produção científica e formação de recursos humanos nos últimos 5 (cinco) anos: 5 publicações, considerando-se exclusivamente, artigos completos em periódicos especializados e qualificados, capítulos de livros e livros autorais com avaliação por consultores, organização de livros (com ponderação equivalente a 50% dos autorais), além de 2 (duas) orientações de mestrado concluídas e aprovadas ou 1(uma) orientação de mestrado e 1 (um) doutorado concluídas e aprovadas, no pais ou no exterior (desde que em instituição reconhecida). A categoria 1 e a distinção entre os níveis segue os critérios gerais do comitê.

     

     

     

    Critérios Específicos

    Geografia Humana

    Vigência: 2015 a 2017

     

    Considerando que o objetivo da Bolsa de Produtividade em Pesquisa é distinguir o pesquisador, valorizando sua produção científica segundo critérios normativos estabelecidos pelo CNPq e pelos seus respectivos Comitês de Assessoramento (CAs). A área de Geografia Humana estabelece que as propostas apresentadas ao seu CA serão analisadas levando-se em conta a fundamentação teórico-metodológica da proposta, sua originalidade, relevância e exequibilidade.

     

    A distinção entre categorias é de natureza qualitativa e segue os critérios gerais desse Comitê. A categoria 2 é destinada à entrada e permanência do pesquisador no sistema de Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq, devendo cumprir no mínimo 3 (três) anos de defesa do doutorado por ocasião da implementação da bolsa e as seguintes exigências de produção científica e formação de recursos humanos nos últimos 5 (cinco) anos: 5 publicações, considerando-se exclusivamente, artigos completos em periódicos especializados, capítulos de livros, livros autorais, organização de livros, (com ponderação equivalente a 50% dos autorais), valorizando-se autonomia autoral. Além de 2 (duas) orientações de mestrado concluídas no país. A categoria 1 e a distinção entre os níveis seguem os critérios gerais do Comitê.

     

     

    Critérios Específicos

    Panejamento Urbano

    Vigência: 2015 a 2017

     

    A área de Panejamento Urbano e Regional estabelece que as propostas apresentadas ao seu CA serão analisadas seguindo os critérios específicos definidos para o CA-SA.

     

     

    Critérios Específicos

    Turismo

    Vigência: 2015 a 2017

     

    A área de Turismo estabelece que as propostas apresentadas ao seu CA serão analisadas seguindo os critérios específicos definidos para o CA-SA.

  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

     Critérios do CA-LL.

     

    Os requisitos obrigatórios são concernentes ao projeto de pesquisa e ao CV do proponente, de acordo com as especificações apresentadas nos itens seguintes.

     

    1 Critérios de avaliação

    1.1 Projeto de pesquisa

    Na avaliação do projeto de pesquisa, consideram-se:

    a) a originalidade e a relevância da pesquisa para a área: contribuição teórica e/ou potencial aplicação¿

    b) a pertinência e a clareza dos objetivos, da fundamentação teórica e da metodologia propostos;

    c) o conhecimento do estado da arte relativo à questão a ser examinada¿

    d) a adequação das referências apresentadas,

    1.2 CV do proponente

    Na avaliação do CV do proponente, consideram-se:

    a) o vínculo institucional: vínculo permanente em instituição nacional há pelo menos dois anos consecutivos;

    b) a produção científica e as atividades acadêmicas dos últimos dez anos, para pesquisador 1, e dos últimos cinco anos, para pesquisador 2;

    c) a quantidade e, sobretudo, a qualidade da produção acadêmica, aferindo-se sua regularidade e considerando-se:

    c.1) para periódicos:

    · o corpo editorial; a circulação (nacional e internacional); a avaliação por pares, sua relevância, visibilidade ou impacto na área/subárea em questão e, no caso de pesquisa interdisciplinar, nas áreas em que a pesquisa pode trazer uma contribuição;

    · no caso de publicações temáticas: a relevância do tema em questão na subárea e/ou o perfil acadêmico do editor.

    c.2) para capítulos e livros, considera-se, particularmente. :

    · o tipo de editora (universitária, comercial de natureza acadêmica, com catálogo relevante para área e/ou com apoio de edição por agências de fomento) e a circulação nacional e internacional

    c.3) para a produção bibliográfica em geral, consideram-se:

    · a produtividade relativa da subárea na qual a pesquisa se inscreve;

    · a ordem de autoria e/ou evidência de liderança de grupo de pesquisa;

    · a contribuição trazida pelos artigos/obra em questão para a área;

    d) atuação institucional; atuação na formação de pesquisadores; inserção nacional e internacional,;

    d.1) A formação de pesquisadores inclui orientação de teses, dissertações, iniciação científica e supervisão de pós-doutoramento, levando-se em conta a trajetória acadêmica do proponente, a atratividade relativa da subárea de sua atuação no país e a natureza da instituição na qual se encontra;

    d.2) No que concerne à inserção nacional, além da qualidade e visibilidade da produção acadêmica em veículos de circulação nacional, indicadores de liderança acadêmica são considerados, tais como, participação em conselhos editoriais de periódicos e linhas de edição de reconhecida qualidade; atuação nucleadora;

    d.3) Por inserção internacional, consideram-se a qualidade e visibilidade da produção acadêmica em veículos de circulação internacional, assim como participação em eventos acadêmicos internacionais, com publicação selecionada para anais e/ou na condição de palestrante e/ou participação como membro de comitê científico ou de conselhos editoriais e/ou participação em projetos interinstitucionais e em convênios.

    Observação 1: Na avaliação da produção bibliográfica, indicadores externos (ex. fator de impacto, Qualis capes) deverão ser levados em conta, de forma a informar ou complementar a análise à luz dos parâmetros acima especificados.

    Observação 2: O número absoluto de publicações será relativizado em função dos parâmetros de qualidade mencionados.

    Observação 3: No caso de pesquisadores que atuam em instituições que não têm programa de pós-graduação ou em casos não previstos, o proponente deve sinalizar, para consideração por parte do CA, o tipo de atividade que possa compensar o item d.1 da avaliação.

     

    2. Critérios de classificação

    Os critérios específicos supõem a satisfação dos requisitos do nível imediatamente anterior e a eles acrescentam condições suplementares para a classificação inicial ou a reclassificação do pesquisador.

    A classificação dos bolsistas é orientada pela excelência acadêmica, conjugada com liderança intelectual, presença institucional, inserção nacional/internacional e leva em conta sua atuação na formação dos pesquisadores.

    Pesquisador 2 (PQ-2) - requisitos:

    a) ter concluído o Doutorado há pelo menos 5 (cinco) anos;

    b) ter publicado artigos em periódicos e/ou capítulos de livros que atendam aos critérios acima explicitados;

    c) ter evidenciado experiência de orientação em nível de Mestrado;

    d) ter trabalhos completos em anais de eventos nacionais e internacionais com processo seletivo;

    e) ter desempenho que reflita crescentes autonomia intelectual e produção científica;

    f) ter presença institucional e inserção nacional na área de Letras/Linguística, demonstrada por meio de:

    · organização de eventos e/ou participação em GTs e/ou nucleação de grupos de pesquisas e/ou colaboração em grupos interinstitucionais .

    Tais requisitos qualitativos serão especificados à luz dos seguintes critérios quantitativos:

    · Possuir como autor, preponderantemente individual, ou como primeiro autor, pelo menos 6 (seis) publicações, considerando-se exclusivamente artigos em periódicos especializados, livros ou capítulos de livros, à luz dos critérios qualitativos acima explicitados;

    · ter pelo menos 4 (quatro) orientações ou coorientações de Mestrado concluídas;

    · Para a renovação, considera-se ser 8 (oito) o número mínimo de publicações em periódicos, capítulos de livros e/ou trabalhos completos em anais de eventos internacionais.

     

    Pesquisador 1D (PQ-1D) - requisitos:

    a) atender aos requisitos do pesquisador 2, superando-os com evidência de autonomia na produção científica e de liderança acadêmica, como participação em conselhos editoriais especializados¿ exercício de funções executivas em instituições de ensino e pesquisa e/ou associações científico culturais e/ou núcleos/centros de pesquisa, consultoria científica.

    Tais requisitos qualitativos serão especificados à luz dos seguintes critérios quantitativos:

    Possuir como autor, preponderantemente individual ou como primeiro autor, pelo menos 10 (dez) publicações especializadas entre artigos em periódicos especializados, livros ou capítulos de livro de circulação nacional ou internacional e artigos completos em anais de congressos internacionais, que atendam aos critérios acima explicitados; ter orientado 2 (duas) teses de Doutorado concluídas ou 1 (uma) de doutorado como orientador principal com orientações/coorientações de teses e/ou dissertações¿

    Pesquisador 1C (PQ-1C) - requisitos:

    Superar os requisitos para pesquisador 1D, em função de seu tempo de atuação e do número de publicações de qualidade, apresentando maior liderança acadêmica, evidenciada em atuações tais como parecerista ad hoc, coordenador de projetos, palestrante convidado, docente de minicursos em eventos nacionais de relevância reconhecida na área e /ou em eventos internacionais;

    Tais requisitos qualitativos serão especificados à luz dos seguintes critérios quantitativos:

    Possuir como autor, preponderantemente individual ou como primeiro autor, pelo menos 12 (doze) publicações especializadas (nacionais e internacionais), entre artigos em periódicos, livros ou capítulos de livro, que atendam aos critérios acima explicitados assim como artigos

    completos em anais de eventos internacionais; ter orientado 3 (três) teses de Doutorado ou 2 (duas) teses como orientador principal e/ou coorientações de teses/disserações;

    Pesquisador 1B (PQ-1B) – requisitos:

    a) superar os requisitos para pesquisador IC em projeção nacional e inserção internacional, evidenciada na visibilidade da produção acadêmica, assim como em índices de reconhecimento acadêmico, tais como aprovação em editais, participação em comitês científicos e/ou conselhos editoriais nacionais/internacionais, nucleação de grupos de pesquisas; supervisão de estágios de pós-doutoramento.

    Tais requisitos qualitativos serão especificados à luz dos seguintes critérios quantitativos:

    Possuir como autor, preponderantemente individual ou como primeiro autor, 20 (vinte) publicações especializadas entre artigos em periódicos reconhecidos (nacionais e internacionais), livros ou capítulos de livro de acordo com os critérios explicitados; ter orientado 5 (cinco) teses de Doutorado ou três teses e orientações/coorientações de teses/dissertações.

    Pesquisador 1A (PQ-1A) – requisitos:

    a) Superar os requisitos do pesquisador 1B, com evidência inequívoca de reconhecimento acadêmico em âmbito nacional e de inserção internacional.

    Mais do que requisitos quantitativos, considera-se a trajetória acadêmica de reconhecida notoriedade, levando-se em conta índices, tais como, publicação em veículos de circulação internacional, presença de obras de referência na bibliografia de cursos de gradução/pós-graduação, contribuição para a qualidade de programas de pós-graduação e/ou para o desenvolvimento da área/subárea, criação de núcleos de excelência em nível nacional ou internacional, impacto da produção acadêmica em nível nacional/internacional e/ou distinções/premiações em âmbito nacional e/ou internacional.

    Os critérios de avaliação e de classificação devem orientar a avaliação qualitativa da parte de pareceristas ad hoc.

  • Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

    Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

    Critérios de Julgamento ¿ CA-EP

    Vigência: 2015 a 2017

     

    Critérios Gerais

    a) O enquadramento do pesquisador na categoria 2 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 3 (três) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa. O enquadramento do pesquisador na categoria 1 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, 8 (oito) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

    b) O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior, no caso da categoria 2, e do decênio anterior, no caso da categoria 1.

    c) Os critérios incluem sua produção científica, formação de recursos humanos, contribuição para a inovação, coordenação ou participação em projetos de pesquisa, participação em atividades editoriais e de gestão científica e administração de instituições e núcleos de  excelência científica e tecnológica.

    d) Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, exclusivamente com a finalidade de adequar a demanda às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq.

     

    Critérios Específicos

    Este documento tem como objetivo divulgar os principais critérios adotados pelo Comitê Assessor de Engenharia de Produção e de Transportes do CNPq (CA-EP) nos julgamentos dos processos. Tem também como finalidade, preservar a estabilidade dos critérios e procedimentos básicos estabelecidos e aperfeiçoados ao longo de anos pelos diversos Comitês que passaram pelo CNPq, tornando-os referência para a Comunidade Científica e para os julgamentos de nossa Área.

    No processo de elaboração, os membros atuais do CA-EP, acima mencionados, consideraram versões anteriores cuja elaboração envolveu também a maioria dos professores/pesquisadores que já fizeram parte deste mesmo comitê no passado. A rápida evolução das pesquisas na área de Engenharia de Produção e de Transportes tem demandado uma constante adequação dos critérios de avaliação.

    Esclarecemos que projetos de pesquisa multi, inter e transdisciplinares também poderão ser acatados e avaliados quanto ao seu mérito desde que a sua efetiva execução represente um avanço em alguma das áreas relacionadas às Engenharias de Produção e de Transportes. Caso o candidato apresente produção em áreas disciplinares não usuais das Engenharias de Produção e de Transportes, esta relação será observada.

     

    Bolsa de produtividade em pesquisa

    O CA-EP vem buscando uma melhor avaliação da produção científica, sem se pautar somente por indicadores quantitativos. Publicações internacionais têm sido um requisito importante para concessão e renovação de bolsas de pesquisa individuais em qualquer dos níveis existentes. Isto não significa que publicações nacionais de bom nível não sejam consideradas, mas indica que elas podem não ser suficientes para a obtenção ou manutenção das bolsas. Publicações recentes (últimos cinco anos ou período de vigência do projeto anterior em caso de renovação) têm sido particularmente consideradas nos julgamentos. Para os pesquisadores 1A e 1B a análise do seu desempenho poderá ser complementada pela análise da sua trajetória como pesquisador.

    Recomenda-se que os pesquisadores do nível 1 indiquem no projeto as suas 5 (cinco) produções técnico ou científica ou de formação de recursos humanos mais relevantes.

    Por questões de classificação de periódicos ainda não satisfatoriamente solucionadas, ao longo deste texto a expressão "periódicos de ampla circulação, bom corpo editorial e rigorosa arbitragem" deve ser entendida como se segue:

    No caso de publicações internacionais subentende-se periódicos científicos cuja circulação não esteja restrita a países ou regiões, e que ainda apresentem corpo editorial com representatividade internacional. Em geral isso implica ampla circulação com alto fator de impacto, e relacionadas às áreas da Engenharia de Produção e de Transportes; considerando sua meia vida (a mediana do tempo de citação). Com os devidos cuidados, uma vez que fator de impacto não mede qualidade, poderão ser utilizados como referência os indicadores e critérios do QUALIS, observando-se, para tal a correspondente área de atuação do pesquisador no QUALIS/CAPES. Ou seja, poderão ser considerados QUALIS de outras áreas relacionadas à Engenharia de Produção e de Transportes, e não apenas as áreas de Engenharias III e Engenharias I (na CAPES), quando pertinente. Na medida do possível serão utilizados também como referência os indicadores do JCR, SCOPUS, e de outras bases de indexação, das áreas de Engenharia de Produção e de Engenharia de Transportes, observando-se a abrangência e as especificidades de suas sub-áreas, bem como a vigência atual. No caso específico de periódicos nacionais de bom nível subentende-se uma participação expressiva de bolsistas de Produtividade em Pesquisa e pesquisadores conceituados e reconhecidos pelos seus pares no seu corpo editorial e corpo de revisores.

    Não serão considerados trabalhos submetidos ou em processo de avaliação, mas serão considerados trabalhos já aceitos para publicação com DOI - Digital Object Identifier e registrados no Lattes em local/campo próprio. Artigos completos publicados em anais de congressos e outros eventos científicos também são considerados, mas, usualmente com menor prioridade. Os periódicos e eventos latinos americanos têm sido tratados, em geral, como nacionais. Apesar de não haver ainda uma métrica definida, o CA-EP tem procurado identificar a participação específica do(a) candidato(a) nos casos em que as publicações e apresentações digam respeito a trabalhos conjuntos envolvendo um maior número de pesquisadores, ou ainda um mesmo grupo de autores. Quando o pesquisador tiver orientado várias dissertações de mestrado e teses de doutorado, espera-se que essas orientações tenham resultado em publicações em periódicos e anais de congressos de bom nível científico. A formação de recursos humanos em pesquisa, em nível de pós-graduação, também é considerada como parte da avaliação, conforme estabelece a RN-016/2006 do CNPq.

    Para ingressar e permanecer no sistema, o CA-EP considera importante que o pesquisador tenha uma clara participação em atividades integradas de pesquisa, ensino e extensão, que se some a uma produção científica relevante, caracterizada por regularidade e qualidade tanto em nível científico como dos meios utilizados para a sua divulgação. Todos os aspectos acima devem ser evidenciados na apresentação do Curriculum Vitae Lattes, juntamente com um projeto de pesquisa consistente e adequadamente elaborado com estrutura teórica-metodológica. Tal projeto deverá conter no máximo 15 páginas, incluindo as referências.

    Mais uma vez, deve-se ressaltar que a avaliação do CA-EP não se baseia somente em elementos estritamente numéricos, na medida em que busca identificar o perfil do(a) pesquisador(a), avaliando a produtividade, qualidade e o equilíbrio de suas atividades.

    Observa-se ainda que os critérios abaixo definidos são os desejáveis, significando que o rigor de sua aplicação dependerá da demanda de cada avaliação.

     

    Perfil de Pesquisador Nível 2

    É desejável que:

    possua produção científica relevante com publicações em periódicos internacionais de ampla circulação e rigorosa arbitragem na área de Engenharia de Produção e de Transportes;

    tenha regularidade na divulgação da produção científica em congressos nacionais e internacionais de bom nível científico, particularmente nos eventos da área de Engenharia de Produção e de Transportes; tenha envolvimento no processo de formação de mestres, quando vinculado a instituição de ensino com programas de pós-graduação.

     

    Perfil de Pesquisador 1 Nível D

     

    É desejável que:

    possua produção científica relevante nos últimos dez anos, com publicações em periódicos internacionais de ampla circulação e rigorosa arbitragem na área de Engenharia de Produção e de Transportes;

    tenha regularidade na divulgação da produção científica em periódicos nacionais e congressos nacionais e internacionais de elevado nível científico, particularmente nos eventos da área de Engenharia de Produção e de Transportes; tenha orientado mestres e doutores, quando vinculado a instituição de ensino com programas de pós-graduação; tenha independência intelectual e reconhecimento na sua área de atuação.

     

    Perfil de Pesquisador 1 Nível C:

    É desejável que:

    possua produção científica relevante ao longo de sua carreira e nos últimos anos, com publicações em periódicos internacionais de ampla circulação e rigorosa arbitragem na área de Engenharia de Produção e de Transportes; tenha regularidade na divulgação da produção científica em periódicos nacionais e congressos nacionais e internacionais de elevado nível científico, particularmente nos eventos da área de Engenharia de Produção e de Transportes;

    tenha orientado vários mestres e doutores, quando vinculado a instituição de ensino com programas de pós-graduação; tenha comprovada independência e liderança na sua área de atuação, tendo contribuído para formar pesquisadores.

     

    Perfil de Pesquisador 1 Nível B:

    É desejável que:

    possua produção científica relevante ao longo de sua carreira e nos últimos anos, com publicações em periódicos internacionais de ampla circulação e rigorosa arbitragem na área de Engenharia de Produção e de Transportes; tenha regularidade na divulgação da produção científica em periódicos nacionais e congressos nacionais e internacionais de elevado nível científico, particularmente nos eventos da área de Engenharia de Produção e de Transportes;

    tenha orientado vários mestres e doutores, quando vinculado a instituição de ensino com programas de pós-graduação; tenha comprovada independência e liderança na sua área de atuação, tendo contribuído para formar grupos de pesquisa com reconhecimento nacional e internacional.

     

    Perfil de Pesquisador 1 Nível A:

    É desejável que:

    possua produção científica relevante ao longo de sua carreira e nos últimos anos, com publicações em periódicos internacionais de ampla circulação e rigorosa arbitragem na área de Engenharia de Produção e de Transportes; tenha regularidade na divulgação da produção científica em periódicos e congressos nacionais e internacionais de bom nível científico;

    tenha orientado vários mestres, doutores e pesquisadores; tenha indiscutível liderança nacional e reconhecimento internacional, tendo contribuído para formar grupos de competência com reconhecimento nacional e internacional e para desenvolver sua área no país.

     

    Progressão do Pesquisador

    Os critérios utilizados para a progressão ou regressão do pesquisador obedecem às recomendações da Diretoria do CNPq e são rigorosamente aplicados:

    A progressão do(a) pesquisador(a) da categoria 2 para 1D - categoria 1 nível D está associada a uma crescente autonomia e produção científica; pressupõe uma produção científica internacional relevante. A partir da categoria 1C, a progressão do pesquisador estará associada a uma produção científica independente e regular e uma demonstração de liderança e reconhecimento "inter-pares". Não haverá renovação caso não haja desempenho que justifique sua permanência no sistema no nível atual ou no nível imediatamente abaixo.

  • Ciências Exatas e da Terra e Engenharias

     CA-ME  -  CRITÉRIOS PARA JULGAMENTO DE BOLSAS DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA

    O objetivo deste documento é divulgar os principais critérios utilizados pelo Comitê Assessor de Microeletrônica do CNPq (CA-ME) no julgamento de bolsas de produtividade em pesquisa (PQ).

    Critérios  gerais:

    a) O enquadramento do pesquisador na categoria 1 exige que o pesquisador tenha, no mínimo, oito anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa. O enquadramento do pesquisador na categoria 2 exi­ge que ele tenha, no mínimo, três anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

    b) O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao período desde o final de sua graduação caso ele seja inferior a cinco anos. Caso contrário a avaliação versa sobre os últimos cinco anos para a categoria 2 e sobre o decênio anterior para a categoria 1.

    c) Os critérios devem incluir, além da avaliação do projeto proposto, a produção científica, a formação de RH, a contribuição para inovação, a coordenação ou participação em projetos de pesquisa, a participação em atividades editoriais e de gestão científica, a administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica, liderança, visibilidade e a nucleação de grupos de pesquisa.

    d) Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, adequando-se, no que for possível, a demanda qualificada à disponibilidade orçamentária do CNPq.

    Caracterização da Área:

    A microeletrônica é um ramo da engenharia voltado à integração de circuitos e sistemas eletrônicos. Dão sustentação à área de microeletrônica tecnologias de dispositivos semicondutores, de fabricação de circui­tos integrados, de instrumentação eletro-eletrônica, de teste e ferramentas computacionais de auxílio a pro­je­­to, à fabricação e ao teste. A área pode ser dividida em duas grandes sub-áreas que cobrem diferentes tópicos:

    1. Dispositivos e Processos de Fabricação para Micro e Nanoeletrônica:

    Modelamento de dispositivos e processos, CAD para fabricação; caracterização de dispositivos; fabrica­ção de circuitos integrados e de estruturas micro-eletro-mecânicas; optoeletrônica; spintrônica; nano­ele­trônica e microssistemas; sensores e atuadores (transdutores); tecnologias de displays; confiabilidade e encapsulamento

    2.  Concepção, Projeto, CAD e Teste de Circuitos Integrados:

    Circuitos integrados digitais, analógicos, de RF e de sinal misto; projeto físico, síntese lógica e de alto nível; técnicas de verificação, simulação, emulação e prototipação; teste e projeto visando o teste; arquiteturas reconfiguráveis e aplicações utilizando FPGA; projeto de sistemas embarcados, redes de sensores e aplicações industriais; sistemas integrados (SoC), reuso de IP e projeto baseado em plataformas; sistemas micro-eletro-mecânicos.
     

     

    Critérios Específicos:

    1)      Normas  gerais

    O procedimento utilizado quando da avaliação do projeto de pesquisa leva em consideração os seguintes passos:

    Pareceres do(s) assessor(es) ad-hoc de reconhecida competência na área na qual a proposta do projeto se enquadra;

    Análise pelo CA-ME quanto ao mérito da referida proposta, levando em consideração o(s) parecer(es) ad-hoc assim como os itens pertinentes dos critérios estabelecidos por este CA.

    Caso um membro do Comitê seja da mesma instituição do pesquisador cujo pedido está sendo julgado, o membro em questão se omite de dar qualquer parecer sobre o caso, a não ser que os outros membros solicitem explicitamente que seja feito algum comentário visando o esclarecimento de pontos sendo discutidos.

    A avaliação das propostas de bolsa de produtividade em pesquisa envolve o julgamento do projeto de pesquisa proposto e da produção científica e tecnológica do pesquisador.

    a)      Avaliação da proposta do projeto de pesquisa

    A proposta deve conter informações que permitam uma avaliação criteriosa pelos consultores e pelo próprio comitê quanto ao mérito técnico-científico, incluindo foco e clareza dos objetivos; exequibilidade (considerando metodologia, cronograma, recursos humanos, infraestrutura institucional); impacto dos resultados pretendidos e contribuição para o desenvolvimento científico, tecnológico ou de inovação do país.

    b)      Avaliação qualitativa e quantitativa da produção científica e tecnológica do pesquisador


                As diretivas do CA-ME estabelecem publicações qualificadas como um requisito fundamental para concessão de bolsas de pesquisa individuais em qualquer dos níveis existentes. Isto não quer dizer que pu­bli­­ca­ções nacionais ou regionais de bom nível não sejam consideradas, mas indica que elas não são su­fi­cientes para a obtenção ou manutenção das bolsas. Além disso, a excelência da produção bibliográ­fi­ca deve refletir-se na formação de recursos humanos em nível de mestrado e doutorado. Será valoriza­da, igualmente, a produção tecnológica sob a forma de patente, evidenciando a capacidade do pesqui­sa­dor de transferir o produto de sua pesquisa ao setor industrial.

    Com relação aos critérios qualitativos serão considerados os seguintes itens:

    • Publicações qualificadas  em periódicos
    • Publicações em anais de eventos
    • Publicação de livros e capítulos stricto sensu.
    • Orientações completas de tese de doutorado e dissertação de mestrado
    • Supervisão de pós-doutorandos
    • Depósito e concessão de patentes
    • Engajamento no ambiente de pesquisa da sua instituição e do país
    • Atividades de política e gestão científicas
    • Atração de projetos de pesquisa
    • Projetos de pesquisa com parceria industrial
    • Atuação junto a sociedades científicas nacionais e internacionais
    • Atividades editorias
    • Citações
    • Capacidade de liderança
    • Filiação a academias nas áreas de ciência e tecnologia 
    • Prêmios e distinções
    • Nucleação de grupos de pesquisa
    • Coordenação de equipes de pesquisa
    • Visibilidade nacional e internacional
    • Atuação em divulgação científica e popularização da ciência
    • Organização de eventos científicos

    Requisitos mínimos necessários, mas não suficientes para ingresso e promoção

    Esses requisitos mínimos servem como uma orientação aos pesquisadores, lembrando que a análise qualitativa da produção científica descrita acima deve prevalecer.

    a)      Os quantitativos mínimos de produção científica e tecnológica para o ingresso em uma determinada categoria são listados na tabela abaixo, considerando os períodos de avaliação de cinco e dez anospara as categorias 2 e 1, respectivamente.

    Categoria

    1A

    1B

    1C

    1D

    2

    Número de publicações em periódicos

    8

    7

    6

    5

    2

    Produção Técnica e Intelectual Total (Conferência = peso 1, Capítulo de livro (stricto sensu) = peso 1, Periódico = peso 2, Patente = peso 2, Livro = peso 4)

    50

    45

    35

    25

    8

    Orientação concluída (Mestrado = peso 1, Doutorado =   peso 2)

    12

    10

    8

    6

    2

     

    b) Os quantitativos mínimos de produção científica e tecnológica para a renovação por mais um período numa mesma categoria são listados na tabela a seguir, considerando os períodos de avaliação de cinco e dez anos para as categorias 2 e 1, respectivamente.

    Categoria

    1

    2

    Número de publicações em periódicos

    5

    2

    Produção Técnica e Intelectual (Conferência = peso 1, Capítulo de livro (stricto sensu) = peso 1, Periódico = peso 2, Patente = peso 2, Livro = peso 4)

    25

    8

    Orientação concluída (Mestrado = peso 1, Doutorado =   peso 2)

    6

    2

     

    Perfis esperados dos pesquisadores nas diferentes categorias:

    ·    Pesquisador 1A

    O pesquisador deve ter mostrado excelência continuada na produção científica e na formação de recursos humanos, além de liderar grupos de pesquisa consolidados. O perfil deste nível de pesquisador deve, na maior parte dos casos, extrapolar os aspectos unicamente de produtividade para incluir aspectos adicionais que mostrem uma significativa liderança dentro da sua área de pesquisa no Brasil, uma importante inserção internacional e capacidade de explorar novas fronteiras científicas em projetos de risco.

    ·    Pesquisador 1B

    Além de uma crescente contribuição à formação de recursos humanos e à produção de ciência e tecnologia, será avaliada a contribuição na nucleação de grupos de pesquisa, programas de graduação e pós-graduação de sua instituição,  sua visibilidade nacional e internacional, além da participação em atividades de política e gestão científicas. 

    ·        Pesquisador 1C

    Nessa categoria é esperado que além da continua produtividade científica e tecnológica qualificada e formação de recursos humanos, o pesquisador tenha uma importante inserção nacional, demonstre alguma visibilidade internacional, tenha uma participação importante nas atividades institucionais e tenha gerido projetos de pesquisa de maior porte.

    ·        Pesquisador 1D

    O pesquisador nesse nível deve demonstrar uma importante independência científica, ter capacidade de gerir projetos científicos, ter consolidado sua capacidade de formar recursos humanos e ter uma produtividade científica em termos de publicações qualifi­ca­das continuada.

     

    ·        Pesquisador 2

    O pesquisador deve ter demonstrado capacidade de orientar alunos de pós-graduação e deve ter uma produtividade científica demonstrada em publicações e participação em conferências nos últimos cinco anos de sua carreira.

     

  • Ciências da Vida

    CRITÉRIOS DA ÁREA DE ENFERMAGEM

     

    Perfil do Pesquisador

    A avaliação global do pesquisador será realizada mediante a análise do seu perfil de formação acadêmica, experiência profissional, autonomia e liderança no desenvolvimento da atividade científica, bem como do equilíbrio entre a produção científica e de formação de recursos humanos para a pesquisa.

    Processo de Julgamento

    A hierarquização dos pedidos será realizada segundo a pontuação obtida pelo pesquisador considerando a produção científica, formação de recursos humanos para a pesquisa e projeto de pesquisa, respeitando a trajetória do pesquisador (perfil).

    As bolsas serão distribuídas seguindo a hierarquização das pontuações obtidas pelos pesquisadores no ano do pleito e o atendimento dos critérios mínimos estabelecidos para cada nível de bolsa.

    Bases de Informação

    As bases de informações utilizadas no julgamento serão exclusivamente: CV Lattes congelado; classificação Qualis Periódicos disponibilizada pelo CNPq; site da Capes (quanto a dúvidas sobre a participação em PPG ou Qualis periódicos).

    Período de Produção

    Será considerada a produção declarada no ano de avaliação em curso, até o congelamento do Lattes, sem prejuízo dos 5 ou 10 anos completos para PQ2 e PQ1, respectivamente.

    Produção na Área de Enfermagem e de Saúde

    Implica em atender aos seguintes critérios: 1) Produção científica (artigos, livros e capítulos com ISBN declarado); 2) Experiência de formação de recursos humanos (Iniciação científica, Mestrado, Doutorado, Pós-Doutorado); 3) Contribuição para inovação (depósito de patentes e registro de autoria); 4) gestão científico-acadêmica institucional; 5) coordenação ou participação em projetos de pesquisa; e 6) participação em atividades editoriais.

    Propostas multi e interdisciplinares

    As propostas multi e interdisciplinares submetidas ao CA-EF deverão evidenciar no seu interior o conhecimento específico da área de Enfermagem, ou seja, o Cuidado de Enfermagem e suas Competências Profissionais, e como o mesmo se tangência com a interdisciplinaridade e a multidisciplinaridade. A análise da produção científica e/ou tecnológica obtida em veículos de outras áreas serão avaliados de acordo com os critérios estabelecidos pelo CA-EF.

    Todos os níveis de bolsas

    a) Quantificação e qualificação dos artigos publicados em periódicos científicos com Qualis B2 ou superior da área de Enfermagem, conforme escala de pontuação abaixo. Além disso, serão considerados periódicos que não constam no Qualis, mas que apresentem fator de impacto do periódico.

    Escala de pontuação Qualis:

    A1= 20 pontos

    A2= 15 pontos

    B1= 10 pontos

    B2= 5 pontos.

    Escala de pontuação de impacto:

    Acima de 1,0 = 20 pontos

    Entre 0,5 a 1,0 = 15 pontos

    Abaixo de 0.5 = 10 pontos

    Obs.: Para os periódicos que constam no Qualis no extrato B2 ou superior e que também esteja na Web of Science(JCR) será considerada a melhor pontuação.

    Tropismo

    Objetivando a limitação do tropismo de produção, será considerado até 30% da produção qualificada em B2 ou superior ou em periódicos que não estejam no Qualis, e sim, no JCR, como limite máximo de publicação em uma mesma revista e a produção excedente naquele mesmo periódico será desconsiderada.

    b) Quantificação da produção em livros (capítulos e texto integral), conforme escala e travas de pontuação abaixo.

    Escala de pontuação:

    Autoria de Livro Completo sobre temática específica à área de Enfermagem (limitado a 1 produção a cada 5 anos) = 20 pontos

    Capítulos de Livros sobre temática específica à área de Enfermagem (limitados a 3 produções a cada 5 anos) = 10 pontos

    Travas:

    Serão pontuadas até 1 produção em livros completos e 3 produções em capítulos para PQ2 e 2 produções em livros completos e 6 produções em capítulos para PQ1. Serão pontuados no máximo até dois capítulos do mesmo livro.

    c) Quantificação da formação de recursos humanos (iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado), conforme escala e travas de pontuação abaixo.

    Escala de pontuação:

    Orientação:

    Doutorado = 40 pontos

    Mestrado = 20 pontos

    IC = 05 pontos

    Pós-Doutorado = 25 pontos

    Coorientação:

    Doutorado = 15 pontos

    Mestrado = 10 pontos

    Travas:

    Serão pontuadas todas as produções de mestrado e doutoradoconcluídas.

    Serão pontuadas até 5 (cinco) produções de iniciação científica concluídas para PQ 2 e até 10 (dez) produções para PQ 1.

    Serão pontuadas até 4 produções de interlocução de pós-doutorado concluídas para PQ 1. Serão consideradas até duas coorientações para mestrado ou doutorado.

    d) Pontuação dos projetos de pesquisa a partir dos pareceres ad hoc.

    PONTUAÇÃO DE PROJETOS - Conceitos e Notas:

    E + E = 200

    MB+E = 190

    MB+MB = 185

    E + B = 180

    MB+B = 160

    E + M = 150

    M+MB = 140

    B + B = 100

    B + M = 80

    B+R=70

    M + M = 50

    R+R = 40

    M + F = 0 (desclassificação)

    F + F = 0 (desclassificação)

    OBS.:

    Os pareceres dos ad hoc devem seguir as recomendações do Edital/Chamada.

    As pontuações serão definidas consultando os conceitos emitidos pelos pareceristas ad hoc.

    Em caso de conflito de avaliação (E+F; B+F) um membro do CA-EF emitirá um terceiro parecer.

    Em caso de existência de apenas um parecer ad hoc, um membro do CA-EF emitirá o 2o parecer.

    Em caso de inexistência de parecer ad hoc, dois membros do CA-EF emitirão os pareceres.

    Bolsas 2

    Avaliação qualitativa dos seguintes itens: experiência em ensino de graduação e pós-graduação; participação em projetos de pesquisa como pesquisador ou coordenador; participação em conselho editorial de periódicos ou parecerista ad hoc de revistas e/ou eventos científicos. Atingir classificação compatível com a cota de bolsas disponíveis no ano para PQ2.

    Bolsas 1D

    Avaliação qualitativa dos seguintes itens: experiência em ensino de graduação e pós-graduação; experiência em obtenção de recursos financeiros para projetos de pesquisa como ou pesquisador ou coordenador; participação em conselho editorial de periódicos ou parecerista ad hoc de revistas e/ou eventos científicos.

    Bolsas 1C

    Avaliação qualitativa dos seguintes itens: experiência em ensino de graduação e pós-graduação; experiência em obtenção, coordenação e gerenciamento de recursos financeiros para projetos de pesquisa; participação em conselho editorial de periódicos ou parecerista ad hoc de revistas e/ou eventos científicos.

    Bolsas 1B e 1A

    Avaliação qualitativa dos seguintes itens: experiência em ensino de graduação e pós-graduação; experiência em obtenção, coordenação e gerenciamento de recursos financeiros para projetos de pesquisa multicêntricos e/ou em colaboração internacional; participação em conselho editorial de periódicos qualificados de periódicos ou parecerista ad hoc de revistas e/ou eventos científicos; ter linha de pesquisa consolidada; atuar na nucleação de grupos de pesquisa; exercer liderança de pesquisa por meio da atuação em MINTER, DINTER ou projetos multicêntricos envolvendo grupos de pesquisa não consolidados.

    Mobilidade de Bolsistas

    A decisão quanto à renovação de bolsas, rebaixamento de nível, progressão de nível ou não renovação será tomada apenas no final do julgamento, depois de analisado o perfil geral de produção da área no período analisado.

    A progressão entre os níveis 2 e 1 será realizada sempre que houver vagas no nível superior e autorização do CNPq para ocupá-las. A progressão será baseada na posição ocupada pelos candidatos na Comparação entre Pares da Demanda e em avaliação qualitativa, em cada nível.

    Reconhecimento de Notória Liderança Científica

    Em casos excepcionais, parte dos requisitos mínimos acima poderá ser dispensada e critérios adicionais de comparação entre pares poderão ser utilizados para candidatos que possuem liderança científica amplamente reconhecida pela sua obra. Essa qualidade leva em consideração a construção de uma escola de pensamento científico, a disseminação nacional e internacional de uma área de investigação e a criação de instituições científicas ou tecnológicas de excelência.

    Nota: A concessão de excepcionalidade neste caso deverá obrigatoriamente ser apoiada por pelo menos 2/3 dos membros do CA.

    PRÉ-REQUISITOS BOLSAS 2 (parâmetros referentes ao quinquênio anterior ao julgamento)

    a) publicado pelo menos 10 (dez) artigos em periódicos científicos com Qualis B2 ou superior da área da Enfermagem e/ou com fator de impacto;

    b) concluído a orientação de 1 (um) mestre ou doutor, ou coorientações de mestrado ou doutorado limitadas a 2;

    c) orientação em andamento de, no mínimo, 2 (dois) mestres ou doutores;

    d) produção na área;

    e) linha de pesquisa própria verificada através dos projetos de pesquisa em desenvolvimento e/ou coordenação de grupo de pesquisa cadastrado no CNPq;

    f) experiência em ensino e pesquisa de graduação ou pós-graduação.

    g) participação em grupo de pesquisa certificado pelo CNPq

    BOLSAS 1D (parâmetros referentes ao decênio anterior ao julgamento)

    a) publicado 25 (vinte e cinco) artigos em periódicos, sendo 6 (seis) em Qualis B1 ou superior da área da Enfermagem e/ou com fator de impacto.

    b) concluído a orientação de, pelo menos, 1 (um) doutor e 4 (quatro) mestres, admitindo-se até 2 coorientações de doutorado;

    c) orientação em andamento de, no mínimo, 3 (três) mestres ou doutores;

    d) produção na área;

    e) experiência em ensino de graduação e pós-graduação;

    f) experiência em obtenção e coordenação de recursos financeiros para projetos de pesquisa;

    g) participação em conselho editorial de periódicos ou parecerista ad hoc de revistas e/ou eventos científicos.

    h) evidenciar inserção internacional, por meio ao atendimento de uma ou mais das seguintes atividades: atividades no exterior que demandem produtos/resultados para o pesquisador, projetos em parceria, publicação em resumo e artigos, aquisição de financiamento para professor visitante estrangeiro, ida de orientandos para doutorado sanduíche, realizar pós-doutorado no exterior.

    BOLSAS 1C (parâmetros referentes ao decênio anterior ao julgamento)

    a) publicação de 30 (trinta) artigos em periódicos, sendo 05 (cinco) artigos em Qualis A2 ou superior da área da Enfermagem e/ou com fator de impacto.

    b) concluído a orientação de pelo menos 2 (dois) doutores e 4 (quatro) mestres, admitindo-se até 2 coorientações de doutorado.

    c) orientação em andamento de, no mínimo, 3 (três) pós-graduandos, sendo 2 (dois) doutorandos;

    d) produção na área;

    e) experiência em ensino de graduação e pós-graduação;

    f) experiência em obtenção, coordenação e gerenciamento de recursos financeiros para projetos de pesquisa;

    g) participação em conselho editorial de periódicos.

    h) evidenciar inserção internacional, por meio ao atendimento de uma ou mais das seguintes atividades: atividades no exterior que demandem produtos/resultados para o pesquisador, projetos em parceria, publicação em resumo e artigos, aquisição de financiamento para professor visitante estrangeiro, ida de orientandos para doutorado sanduíche, realizar pós-doutorado no exterior.

    BOLSAS 1B (parâmetros referentes ao decênio anterior ao julgamento)

    a) ter publicado pelo menos 30 (trinta) artigos em periódicos, sendo 08 (oito) artigos em Qualis A2 ou superior, da área da Enfermagem e/ou com fator de impacto.

    b) concluído a orientação de pelo menos 4 (quatro) doutores e 8 (oito) mestres, admitindo-se até 2 coorientações de doutorado;

    c) orientação em andamento de, no mínimo, 3 (três) pós-graduandos, sendo 2 (dois) doutorandos;

    d) produção na área;

    e) experiência em ensino de graduação e pós-graduação;

    f) experiência em obtenção, coordenação e gerenciamento de recursos financeiros para projetos de pesquisa multicêntricos e/ou em colaboração internacional;

    g) participação em conselho editorial de periódicos qualificados;

    h) linha de pesquisa consolidada e atuar na nucleação de grupos de pesquisa;

    i) exercer liderança de pesquisa através da atuação em MINTER, DINTER ou projetos multicêntricos envolvendo grupos de pesquisa não consolidados.

    j) evidenciar inserção internacional, por meio ao atendimento de uma ou mais das seguintes atividades: atividades no exterior que demandem produtos/resultados para o pesquisador, projetos em parceria, publicação em resumo e artigos, aquisição de financiamento para professor visitante estrangeiro, ida de orientandos para doutorado sanduíche, realizar pós-doutorado no exterior.

    BOLSAS 1A (parâmetros referentes ao decênio anterior ao julgamento)

    a) ter publicado pelo menos 35 (trinta e cinco) artigos em periódicos, sendo 8 (oito) artigos em Qualis A1 da área de Enfermagem e/ou com fator de impacto.

    b) concluído a orientação de, pelo menos, 4 (quatro) doutores e 8 (oito) mestres, admitindo-se até 2 coorientações de doutorado;

    c) orientação em andamento de, no mínimo, 3 (três) pós-graduandos, sendo 2 (dois) doutorandos;

    d) produção na área;

    e) experiência em ensino de graduação e pós-graduação;

    f) experiência em obtenção, coordenação e gerenciamento de recursos financeiros para projetos de pesquisa multicêntricos e/ou em colaboração internacional;

    g) participação em conselho editorial de periódicos qualificados;

    h) participação em comissões/comitês nacionais de ensino e/ou pesquisa;

    i) ter linha de pesquisa consolidada e atuar na nucleação de grupos de pesquisa;

    j) exercer liderança na atividade de pesquisa através da atuação em MINTER, DINTER, projetos multicêntricos envolvendo grupos de pesquisa não consolidados.

    l) evidenciar inserção internacional, por meio ao atendimento de uma ou mais das seguintes atividades: atividades no exterior que demandem produtos/resultados para o pesquisador, projetos em parceria, publicação em resumo e artigos, aquisição de financiamento para professor visitante estrangeiro, ida de orientandos para doutorado sanduíche, realizar pós-doutorado no exterior.

    PONTUAÇÃO FINAL

    Será composta pela seguinte somatória:

    Pontuação da produção bibliográfica + pontuação de formação de recursos humanos + pontuação de projeto = pontuação final. A pontuação final respeitará a trajetória do pesquisador (perfil).

  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

    Comitê de Assessoramento de Artes, Ciência da Informação, Museologia e Comunicação - CA-AC

    Critérios de Julgamento para Bolsas de Produtividade em Pesquisa (PQ)

    Vigência: 2012 a 2014

     

    Área: ARTES

     

    Normas Gerais

    O principal parâmetro para entrada no sistema de bolsas PQ é a vinculação entre uma proposta de pesquisa que contemple tema relevante e inovador para o avanço e consolidação da Área de Conhecimento das Artes e o perfil do pesquisador. Por tanto, a avaliação leva em conta a produção acadêmica e a qualidade do projeto apresentado durante o processo de avaliação. Os critérios da Área foram estabelecidos com o objetivo de avaliar o impacto da produção do pesquisador. É um importante quesito a inserção do pesquisador nos meios acadêmicos do país, bem como a contribuição do seu trabalho para o avanço dos estudos na Área.

     

    Considera-se que o pesquisador para aceder a uma Bolsa de PQ deverá:

    -         Ter pesquisa desenvolvida regularmente, a partir de projetos reconhecidos institucionalmente pelos programas de pós-graduação e/ou agências de fomento, e cujos resultados sejam divulgados nos fóruns da área.

    -         Formar novos pesquisadores no âmbito dos projetos de Iniciação Científica e do sistema da Pós-Graduação.

    -  Apresentar produção científica divulgada em periódicos, livros e anais de eventos reconhecidos da área e indexados.

    - No caso de pesquisadores artistas, apresentar produção artística e técnica claramente relacionada com projeto de pesquisa registrado nos programas de pós-graduação.

    - Participar da nucleação de grupos de pesquisa.

    - O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao qüinqüênio anterior, no caso da categoria 2, e do decênio anterior, no caso da categoria 1.

    - Ter concluído o doutorado, por ocasião da implementação da bolsa, há pelo menos 3 (três) anos para o nível 2 e há pelo menos 8 anos para o nível 1.

     

    Normas Específicas

     

    Perfil do Pesquisador para Bolsa PQ-2.

    Para ingressar no sistema como Pesquisador Nível 2 o candidato deverá:

    - Ter projeto de pesquisa preferencialmente vinculado grupo de pesquisa consolidado dentro da Área de Artes.

    - Ter uma produção científica e/ou artística regular veiculada em periódicos indexados e realizações artísticas qualificadas. O patamar desejável de produções para Bolsa 2 é de pelo menos 5 (cinco) produtos entre livros, capítulos de livros, artigos em periódicos ou em anais de congressos, e produções artísticas vinculadas ao projeto de pesquisa, no período de 5 (cinco) anos.

    - Haver orientado pelo menos 2 (duas) dissertações de mestrado ou teses de doutorado nos últimos 5 (cinco) anos. Serão consideradas relevantes também as orientações realizadas na graduação, tanto na forma de Trabalho de Conclusão de Curso, quanto de Iniciação Científica.

     

    Perfil do Pesquisador para Bolsa PQ-1D

    O Pesquisador nível 1D deverá:

    - Ter projeto de pesquisa, preferencialmente vinculado grupo de pesquisa consolidado dentro da Área de Artes.

    - Ter uma produção científica e/ou artística regular veiculada em periódicos indexados e realizações artísticas qualificadas. O patamar desejável de produções para o nível 1D é de pelo menos 10 (dez) produtos entre livros, capítulos de livros, artigos em periódicos ou em anais de congressos, e produções artísticas vinculadas ao projeto de pesquisa, no período de 10 (dez) anos.

    - Haver orientado pelo menos 4 (quatro) dissertações de mestrado ou teses de doutorado nos últimos 10 (dez) anos. Serão consideradas relevantes também as orientações realizadas na graduação, tanto na forma de Trabalho de Conclusão de Curso, quanto de Iniciação Científica.

     

    Perfil do Pesquisador para Bolsa PQ-1C

    Para bolsa nível 1C o candidato deverá:

    - Mostrar excelência continuada na produção científica e/ou artística, bem como na formação de recursos humanos.

    - Demonstrar participação regular na formação e gestão de grupos de pesquisa consolidados na área e certificados institucionalmente com pelo menos 5 anos de existência;

    - Demonstrar uma significativa liderança dentro da Área de pesquisa em Artes.

    - Ter uma produção científica e/ou artística cuja repercussão seja manifesta através de publicações de qualidade em periódicos indexados, além de palestras convidadas em congressos nacionais e internacionais, e realizações artísticas qualificadas. O patamar desejável de produções para Bolsa 1C é de pelo menos 15 (quinze) produtos entre livros, capítulos de livros, artigos em periódicos ou em anais de congressos, e produções artísticas vinculadas ao projeto de pesquisa, no período de 10 (dez) anos.

    - Haver orientado pelo menos 6 (seis) dissertações de mestrado ou teses de doutorado nos últimos 10 (dez) anos.

     

    Perfil do Pesquisador para Bolsa PQ-1B.

    Para bolsa nível 1B o candidato deverá:

    - Mostrar excelência continuada na produção científica e/ou artística, bem como na formação de recursos humanos.

    - Demonstrar participação regular na formação e gestão de grupos de pesquisa consolidados na área certificados institucionalmente com pelo menos 5 anos de existência.

    - Mostrar uma significativa liderança dentro da Área de pesquisa em Artes.

    - Ter uma produção científica e/ou artística, cuja repercussão seja manifesta através de publicações de qualidade em periódicos indexados, além de palestras convidadas em congressos nacionais e internacionais, e realizações artísticas qualificadas. O patamar desejável de produções para Bolsa 1B é de pelo menos 20 (vinte) produtos entre livros, capítulos de livros, artigos em periódicos ou em anais de congressos, e produções artísticas vinculadas ao projeto de pesquisa, no período de 10 (dez) anos.

    - Haver orientado pelo menos 8 (oito) dissertações de mestrado ou teses de doutorado nos últimos 10 (dez) anos.

     

    Perfil do Pesquisador para Bolsa PQ-1A

    Para o nível 1A o pesquisador deverá, além atender aos quesitos do Pesquisador 1B, demonstrar uma trajetória de excelência no campo da pesquisa e/ou produção artística e formação de recursos humanos na área de Artes. Deve ainda liderar grupos de pesquisa consolidados e desenvolver pesquisas que estendam as fronteiras do conhecimento na área por meio de projetos inovadores. O pesquisador deve destacar-se na comunidade acadêmica nacional pela relevância e dimensão de sua produção intelectual e apresentar

    inserção internacional em seu campo de atuação.

     

    Áreas: CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, MUSEOLOGIA e COMUNICAÇÃO

     

    O principal parâmetro para entrada no sistema é a apresentação de uma proposta de pesquisa que contemple tema relevante e inovador para o avanço e consolidação da Ciência da Informação e Museologia e Comunicação como áreas de conhecimento científico.  

    A progressão dos pesquisadores em nível leva em consideração o estabelecido pelo CNPq na Norma para Bolsas Individuais no País  (RN-016/2006; redação modificada pela RN 009/2009), itens 1.3.4 e 1.4. "Requisitos e Critérios Mínimos para Enquadramento e Classificação", conforme as condições enumeradas nos diferentes níveis de progressão.

     

    Critérios Gerais

    Indicadores de qualidade da área e a pontuação correspondente

     

    1. Produção Intelectual

    Será considerada como produção intelectual, para efeitos destes procedimentos avaliativos:

    - Artigo científico publicado em periódico de reconhecida qualidade na área, editado no país, de circulação nacional, ou no exterior, com julgamento por pares , comitê editorial e editor científico, de periodicidade regular   e  indexado em serviços de informação do país e do exterior;

    - Livro ou capítulo de livro avaliado por pares e publicado por reconhecida instituição de ensino ou pesquisa  do país e do exterior ou por editora comercial com as mesmas qualidades exigidas das editoras públicas

    - Autoria em coletânea organizada por pesquisadores e cientistas de renome da área, com avaliação de comitê editorial; e

    - Trabalho completo publicado em anais de evento científico, de âmbito nacional ou internacional, promovido por instituições de ensino e pesquisa ou sociedades científicas da área e de campos afins; e

    - Autoria de trabalhos completos no plano da produção artística audiovisual ou multimídia, que mantenha clara vinculação com as linhas de pesquisa do programa de pós-graduação em que o pesquisador  exercer atividades  ou no Grupo de Pesquisa do qual   participe.

    Indicadores: qualidade, quantidade e regularidade da produção intelectual.

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     

    2. Formação de Recursos Humanos para Pesquisa

    Competência e atuação nas diferentes etapas da formação de recursos humanos para pesquisa:

                a) formação de doutores e mestres na área; e

                b) atividade de ensino em cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu,  em cursos de graduação oferecidos por instituições credenciadas no Brasil,  pelo MEC, e  no exterior

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     

    3. Coordenação e participação em projetos de pesquisa

    Serão valorizadas: a) a continuidade e aprofundamento da atividade de pesquisa de reconhecido mérito acadêmico, assim como o direcionamento progressivo de pesquisa, sem redundâncias nem réplicas improdutivas, de pesquisas já realizadas pelo pesquisador ou no domínio de pesquisa de sua vinculação; b) a experiência na coordenação de projetos de pesquisa, principalmente as financiadas por órgãos de fomento nacionais e internacionais; c) a consistência com a história de pesquisa dos pesquisadores envolvidos no projeto; d)ea participação em grupos e redes de pesquisa institucionais e inter-institucionais, no Brasil e exterior, para continuidade e consolidação de linha de pesquisa.

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     

    4. Contribuição para a inovação

    Considerando a Inovação em sua ampla dimensão (social, econômica, tecnológica), nesse item será aferido se a pesquisa implica algum desdobramento imediato ou previsível referente a uma transformação social, incluídas inovações referentes, por exemplo, à inclusão digital, à formação, tratamento ou preservação de memórias organizacionais, às ações de mediação na socialização de conhecimentos, entre outros, além do desenvolvimento de patentes, ferramentas e outros produtos e serviços, como repositórios, bibliotecas digitais e planejamento e execução de exposições.

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     

    5. Atividades editoriais e de política e gestão científica

    Serão valorizadas contribuições ao reconhecimento de temáticas e abordagens atuais e que vão ao encontro de demandas sociais e de questões que formam as fronteiras investigativas da áreaou campos interdisciplinares, por meio da atividade editorial, da organização de eventos, e de outros meios de formação e de concretização de uma vontade temática produtiva e condizente com as linhas e ações de pesquisa do pesquisador.

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     

    6. Atividades de natureza científica e acadêmica de liderança na área

    Será aferida, neste item, a participação em ações, representaçõese eventos que evidenciem o reconhecimento pelos pares de liderança na área, listando-se a seguir, a maneira de exemplos, alguns possíveis indicadores;

    - Representação de área no CNPq e na CAPES;

    - Participação em Comitê de Avaliação no âmbito da pesquisa e do ensino da área;

    - Atuação em consultoria e assessoria científica ad hoc na área em órgão brasileiro e estrangeiro de ensino, pesquisa, gestão e avaliação;

    - Aula Magna; e

    - Participação na qualidade de conferencista, palestrante, coordenador de debates e mesas redondas em eventos científicos (congressos, simpósios, workshops) da área e de campos afins.

    Ponderação: Ver quadro acima, específico da área de conhecimento

     


    Critérios específicos

     

    Bolsa PQ 2

    A categoria 2 é destinada à entrada do pesquisador no sistema de Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq, devendo cumprir no mínimo as seguintes exigências de produção científica e de formação de recursos humanos:

     

    Ciência da Informação e Museologia: produção científica ¿ 5 (cinco) publicações, considerando-se exclusivamente artigos em periódicos especializados, capítulos de livros, livros ou equivalentes em produção artística; formação de recursos humanos ¿ 1 (uma) orientação de mestrado concluída, nos últimos 3 (três) anos.

     

    Comunicação: produção científica ¿ 6 (seis) publicações no período de 3 (três) anos imediatamente anterior ao pedido, considerando-se exclusivamente artigos em periódicos especializados, capítulos de livros, livros ou equivalentes em produção artística; formação de recursos humanos ¿ 2 (duas)  orientações de mestrado concluída.

     

    São requisitos para obtenção de Bolsa PQ 2 (sem níveis), de  entrada e permanência no sistema:

    - Apresentar um projeto de pesquisa de qualidade;

    - Ter titulação de doutor há pelo menos 3 (três) anos, conforme normas vigentes (RN 016/2006, Anexo 1, item 1.4.1);

    - Participar como membro ativo de grupo de pesquisa certificado institucionalmente;

    - Estar vinculado a Instituto de Pesquisa ou a Programa de Pós-graduação reconhecido pela CAPES, ou a instituição de Ensino e Pesquisa em Ciência da Informação, Museologia e Comunicação, que tenham atividades regulares de pesquisa na área de demanda,

    - Atuar na formação de pesquisadores, tendo ao menos duas orientações concluídas e desempenhado algumas outras atividades de orientação, tal como:  orientação de monografias de cursos de pós-graduação lato sensu (especialização); orientação de trabalhos de conclusão de curso de graduação; orientação de bolsistas de  iniciação científica;  e

    - Ter produção científica regular na área: a) publicação de artigos em periódicos reconhecida qualidade na área, editado no país, de circulação nacional, ou no exterior, com julgamento por pares, comitê editorial e editor científico, de periodicidade regular e indexado em serviços de informação do país e do exterior; b) apresentação de trabalhos em reuniões científicas nacionais e internacionais; c) publicação de trabalhos completos em Anais de congressos.

     

    Bolsa PQ 1D

    São condições para ingresso no sistema de Bolsa Produtividade em Pesquisa I, na Categoria 1D:

    - Titulação de doutor há pelo menos 8 (oito) anos, conforme normas vigentes (RN 016/2006, Anexo 1, item 1.4.1);

    - Participação como membro ativo de grupo de pesquisa certificado institucionalmente;

    - Vinculação a programas de pós-graduação em Ciência da Informação, Museologia e Comunicação, reconhecidos pela CAPES, ou vinculação a instituição de ensino com atuação na graduação e atividade de pesquisa nos últimos 10 (dez) anos;

    - Atuação na formação de pesquisadores: orientação de dissertações de mestrado; orientação de monografias de cursos de pós-graduação lato sensu (especialização); orientação de trabalhos de conclusão de curso de graduação; orientação de bolsistas de iniciação científica, nos últimos 10 (dez) anos;

    - Produção científica regular e em periódicos de circulação nacional e do exterior, de tradição científica, reconhecidos nas áreas, nos últimos 10 (dez) anos; publicação de livros ou capítulos de livros; apresentação de trabalhos e eventos de dimensão nacional e/ou internacional e publicação de trabalhos completos em anais.

     

    Bolsa PQ 1C

    São condições para candidatar-se à Bolsa Produtividade em Pesquisa I, na Categoria 1C:

    - Titulação de doutor há pelo menos 8 (oito) anos;

    - Líder de  grupo de pesquisa na área certificado institucionalmente;

    - Experiência de coordenação de pelo menos 2 (dois) projetos de pesquisa;

    - Vinculação a programas de pós-graduação em Ciência da Informação, Museologia e Comunicação, reconhecidos pela CAPES, ou vinculação a instituição de ensino com atuação na graduação e atividade de pesquisa nos últimos 10 (dez) anos;

    - Atuação na formação de pesquisadores, principalmente na orientação de teses de doutorado e dissertações de mestrado, nos últimos 10 (dez) anos;

    - Produção científica regular e em periódicos de circulação nacional e do exterior, de tradição científica, reconhecidos nas áreas, nos últimos 10 (dez) anos; publicação de livros ou capítulos de livros; apresentação de trabalhos e eventos de dimensão nacional e/ou internacional e publicação de trabalhos completos em anais;

    - Participação em publicações nacionais/internacionais em sua área: a) na organização ou editoração de revistas, números especiais, livros e/ou coletâneas; b) como assessores  ad hoc de revistas nacionais e internacionais; e c)  integrando o Comitê Editorial de periódicos científicos;

    - Participação em eventos em nível nacional/internacional: a) como convidado/debatedor em conferências, mesas redondas, etc; b) na qualidade  de  membro de  comitês científicos e/ou de organização de eventos.

     

    Bolsa PQ 1B

    - Titulação de doutor, há pelo menos 8 (oito) anos;

    - Líder de grupo de pesquisa na área, certificado institucionalmente;

    - Experiência de coordenação de projetos de pesquisa,há pelo menos 3 (três) anos;   

    - Vinculação a programas de pós-graduação em Ciência da Informação, Museologia e Comunicação, reconhecidos pela CAPES ou comprovada vinculação com pesquisa na área nos últimos 10 (dez) anos;

    - Atuação na formação de pesquisadores, particularmente na orientação de teses de doutorado e dissertações de mestrado, nos últimos 10 (dez) anos; supervisionar estágios de pós-doutorado;

    - Produção científica regular e em periódicos de circulação nacional e do exterior, de tradição científica, reconhecidos nas áreas, nos últimos 10 (dez) anos; publicação de livros ou capítulos de livros; apresentação de trabalhos e eventos de dimensão nacional e/ou internacional e publicação de trabalhos completos em anais.

    - Participação em publicações nacionais/internacionais em sua área: a) na organização ou editoração de revistas, números especiais, livros e/ou coletâneas; b) como assessores ad hoc de revistas nacionais e internacionais; c) integrando Comitê Editorial de periódicos científicos;

    - Participação em eventos em nível nacional/internacional: a) como convidado/debatedor em conferências, mesas redondas, etc; b) como membro de comitês científicos e/ou de organização de eventos;

    - contribuição em atividades e processos de política e gestão científica; e

    - atuação em atividades de natureza científica e acadêmica de liderança na área.

     


    Bolsa PQ 1A

    O nível A é reservado a pesquisadores que tenham mostrado excelência continuada na produção científica e na formação de recursos humanos, e que liderem grupos de pesquisa consolidados. O perfil deste nível de pesquisador deve, na maior parte dos casos, extrapolar os aspectos unicamente de produtividade para incluir qualidades adicionais que mostrem uma significativa liderança dentro da sua área de pesquisa no Brasil e capacidade de explorar novas fronteiras cientificas em "projetos de risco" e inovadores;

    - titulação de doutor há mais de 8 (oito) anos;

    - líder de grupo de pesquisa na área certificado institucionalmente;

    - experiência de coordenação de pelo menos 5 (cinco) projetos de pesquisa;

    - vinculação a programas de pós-graduação em Ciência da Informação, Museologia e Comunicação, reconhecidos pela CAPES, ou comprovada vinculação com pesquisa na área, nos últimos 10 (dez) anos;

    - atuação na formação de pesquisadores, particularmente na orientação de teses de doutorado e dissertações de mestrado nos últimos 10 (dez) anos; supervisionar estágios de pós-doutorado;

    - Produção científica regular e em periódicos de circulação nacional e do exterior, de tradição científica, reconhecidos na área, nos últimos 10 (dez) anos; publicação de livros ou capítulos de livros; apresentação de trabalhos e eventos de dimensão nacional e/ou internacional e publicação de trabalhos completos em anais.

    - Participação em publicações nacionais/internacionais em sua área: a) na organização ou editoração de revistas, números especiais, livros e/ou coletâneas; b) como assessor ad hoc de revistas nacionais e internacionais; c) como integrante de Comitê Editorial de periódicos científicos de reconhecido prestígio em âmbito nacional e internacional;

    - Participação em eventos em nível nacional/internacional: a) participando como convidado/debatedor em conferências, mesas redondas, etc; b) participando de comitês científicos e/ou de organização de eventos;

    - Contribuição em atividades e processos de política e gestão científica;

    - Atuação em atividades  de natureza científica e acadêmica de  liderança na área;

    - Capacidade de explorar novas fronteiras científicas em "projetos de risco";

    - Participação em programas e projetos de pesquisa e desenvolvimento, oferecendo contribuições teóricas e metodológicas de alto nível, visando ao melhoramento das condições sociais de acesso, tratamento e à preservação da informação; e

    - Participação em ações inovadoras nos contextos organizacionais e nas estruturas intelectuais de programas de pesquisa, grupos e redes de pesquisa, programas de pós-graduação e outras estruturas de gestão e desenvolvimento da pesquisa. 

     

    Ciência da Informação e Museologia - Percentuais considerados para cada item de avaliação

     

    Critérios

    %

    Produção Intelectual

    50

    Formação de recursos humanos para pesquisa

    15

    Coordenação e participação em projetos de pesquisa

    10

    Contribuição para a inovação

    10

    Atividades editoriais e de política e gestão científica

    10

    Atividades de natureza científica e acadêmica de liderança na área

    5

    TOTAL =

    100%

     

    Comunicação - Percentuais considerados para cada item de avaliação

     

    Critérios

    %

    Produção Intelectual

    50

    Formação de recursos humanos para pesquisa

    15

    Coordenação e participação em projetos de pesquisa

    10

    Contribuição para a inovação

    5

    Atividades editoriais e de política e gestão científica

    10

    Atividades de natureza científica e acadêmica de liderança na área

    10

    TOTAL =

    100

  • Ciências da Vida

    Critérios de Julgamento ¿ CA-ZO

     Vigência: 2015-2017

     

    1. NORMAS GERAIS

    1.1.Os critérios utilizados para atribuição de prioridade na concessão das bolsas, conforme estabelece a RN 016/2006, são: a) mérito científico do projeto; b) relevância, originalidade e repercussão da produção científica do candidato; c) formação de recursos humanos em nível de Pós-Graduação; d) contribuição científica, tecnológica e de inovação, incluindo patentes; e) coordenação ou participação em projetos e/ou redes de pesquisa; f) inserção internacional do proponente; g) participação como editor científico; h) participação em atividades de gestão científica e acadêmica.

    1.2.Para bolsas nos níveis PQ-1A, PQ-1B, PQ-1C e PQ-1D, o desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao decênio anterior. Para bolsas no nível PQ-2, o desempenho dos pesquisadores é avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior.

    1.3.A avaliação da relevância, originalidade e repercussão da produção científica do candidato e da produção científica, tecnológica e inovação, é medida pelo número de artigos publicados em periódicos qualificados [definidos aqui como aqueles indexados no Journal of Citation Report (JCR) e/ou classificados como Qualis A1, A2, B1 ou B2 na área de Biodiversidade da CAPES]; pela média do fator de impacto dos artigos publicados; e pelo índice H do pesquisador. Considerando as diferenças detectadas nestes parâmetros entre as subáreas da Zoologia pelo CA, estes itens serão pontuados considerando as demandas por subárea da Zoologia.

    1.4.A avaliação na formação de recursos humanos considera o número de orientações concluídas de Mestrado e Doutorado em cursos de Pós-Graduação (stricto sensu) [computados somente em Programas de Pós-Graduação reconhecidos pela CAPES] e número de supervisões de pós-doutorado.

    1.5.A avaliação do mérito científico do projeto é medida através da análise do projeto de pesquisa, pontuado pelo CA-ZO considerando: a análise dos pareceres dos consultores ad hoc, a análise do projeto pelo CA-ZO e a aderência à área de Zoologia. A aderência à área de Zoologia é avaliada de acordo com o enquadramento do projeto submetido às subáreas da Zoologia (Comportamento Animal, Fisiologia dos Grupos Recentes, Morfologia dos Grupos Recentes, Taxonomia dos Grupos Recentes, Paleozoologia e Zoologia Aplicada, esta última com três subáreas: Conservação das Espécies Animais, Controle Populacional de Animais e Utilização de Animais). Não serão avaliados pelo Comitê da Zoologia projetos que se enquadrem em outras áreas/subáreas do conhecimento do CNPq (http://www.cnpq.br/documents/10157/186158/TabeladeAreasdoConhecimento.pdf)

    1.6.As atividades de coordenação ou participação em projetos e/ou redes de pesquisa; inserção internacional; participação em atividades editoriais e de gestão científica e administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica serão avaliadas nos casos de reconhecimento de notória liderança científica (veja item 4).

    1.7.As informações sobre a produtividade serão extraídas através de recursos de TI do CNPq do Currículo Lattes do proponente, cujo prazo de atualização está estabelecido na norma da modalidade. Informações adicionadas posteriormente à data limite não serão consideradas no julgamento. É importante destacar, que o preenchimento correto do currículo Lattes é de total responsabilidade do proponente. Deve-se utilizar as ferramentas disponíveis na Plataforma Lattes, tais como a inclusão do DOI (Digital Object Identifier) nas publicações e verificar a uniformização dos dados em outras bases bibliográficas e tecnológicas. A extração das informações referentes às publicações, tais como JCR e Qualis, além de outros índices é realizada através de recursos de TI do CNPq. Neste sentido, é fundamental que o CV Lattes seja conferido e atualizado detalhadamente dentro do prazo estipulado pelo CNPq. Recomenda-se também que as pessoas sob orientação ou supervisão de cada pesquisador proponente, especialmente estudantes de pós-graduação e pós-doutorandos, mantenham sempre seus currículos Lattes atualizados.

     

    2. REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS DIFERENTES NÍVEIS

    As quantificações apresentadas abaixo buscam refletir o perfil atual dos bolsistas PQ da Zoologia em termos de produção científica e de formação de recursos humanos, estabelecendo requisitos mínimos para a indicação de bolsistas em cada nível.

    2.1.Nível PQ-2 - Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos eliminatórios no último quinquênio:

    a)Ter publicado pelo menos 10 (dez) artigos em periódicos qualificados, em linhas de pesquisa com aderência à área da Zoologia.

    b)Ter concluído, como orientador ou co-orientador, a orientação de 4 (quatro) Mestres e/ou Doutores, sendo no mínimo 2 (dois) como orientador principal; pesquisadores em instituições sem a possibilidade de participação em programas de pós-graduação podem compensar este item com uma maior produção científica, devendo ter publicado pelo menos 15 (quinze) artigos em periódicos qualificados, em linhas de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    c)Ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa com aderência à área de Zoologia e mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc.

    2.2.NívelPQ-1: Os níveis 1A, 1B, 1C e 1D serão preenchidos por pesquisadores anteriormente classificados nos níveis 2 ou 1.

    2.2.1.NívelPQ-1D. Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no último decênio:

    a)Ter publicado pelo menos 30 (trinta) artigos em periódicos qualificados, em linhas de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    b)Ter concluído, como orientador ou co-orientador, a orientação de 8 (oito) alunos em nível de Pós-Graduação, sendo no mínimo 5 (cinco) como orientador principal e no mínimo 2 (dois) doutores; pesquisadores em instituições sem a possibilidade de participação em programas de pós-graduação podem compensar este item com uma maior produção científica, devendo ter publicado pelo menos 40 (quarenta) artigos em periódicos qualificados, em linhas de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    c)Ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa com aderência à área de Zoologia e mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc.

    2.2.2.Nível PQ-1C: Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no último decênio:

    a)Ter publicado pelo menos 40 (quarenta) artigos em periódicos qualificados, em linha de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    b)Ter concluído, como orientador ou co-orientador, a orientação de 10 (dez) alunos em nível de Pós-Graduação, sendo no mínimo 7 (sete) como orientador principal e no mínimo 4 (quatro) doutores; pesquisadores em instituições sem a possibilidade de participação em programas de pós-graduação podem compensar este item com uma maior produção científica, devendo ter publicado pelo menos 50 (cinquenta) artigos em periódicos qualificados, em linha de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    c)Ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa com aderência à área de Zoologia e mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc.

    2.2.3.Nível PQ-1B: Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no último decênio:

    a)Ter publicado pelo menos 50 (cinquenta) artigos em periódicos qualificados, em linha de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    b)Ter concluído, como orientador ou co-orientador, a orientação de pelo menos 12 (doze) alunos em nível de Pós-Graduação, no mínimo 10 (dez) como orientador principal e no mínimo 6 (seis) doutores; pesquisadores em instituições sem a possibilidade de participação em programas de pós-graduação podem compensar este item com uma maior produção científica, devendo ter publicado pelo menos 60 (sessenta) artigos em periódicos qualificados, em linha de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    c)Ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa com aderência à área de Zoologia e mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc.

    2.2.4. Nível PQ-1A: Para ser classificado neste nível o pesquisador deverá satisfazer os seguintes requisitos mínimos no último decênio:

    a)Ter publicado pelo menos 55 (cinquenta e cinco) artigos em periódicos qualificados, em linha de pesquisa com aderência à área da Zoologia;

    b)Ter concluído, como orientador ou co-orientador, a orientação de pelo menos 15 (quinze) alunos em nível de Pós-Graduação, sendo pelo menos 8 (oito) doutores e no mínimo quatorze como orientador principal; pesquisadores em instituições sem a possibilidade de participação em programas de pós-graduação podem compensar este item com uma maior produção científica, devendo ter publicado pelo menos 70 (setenta) artigos em periódicos qualificados;

     

    c)Ter linha de pesquisa definida e apresentar projeto de pesquisa com aderência à área de Zoologia e mérito científico, conforme avaliação do CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc.

     

    3. COMPARAÇÕES ENTRE OS PARES DA DEMANDA

    Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, com a finalidade exclusiva de ordenar as prioridades, num primeiro momento com base na produção quali-quantitativa e de adequá-las às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq.

    3.1. Para os bolsistas nível PQ-1:

    O item Produção Científica para os bolsistas nível 1 terá peso 6 na análise, considerando:

    a)O número de artigos publicados em periódicos qualificados (peso 4);

    b)A média do fator de impacto (medido pelo JCR) dos artigos publicados em periódicos qualificados no decênio anterior (peso 1);

    c)O índice H do pesquisador (peso 1).

     

    O item Formação de Recursos Humanos para os bolsistas nível 1 terá peso 3, considerando: d) O número de orientações em programas de pós-graduação reconhecidos pela CAPES, incluindo Doutorado (2 pontos por orientação; 1 pontos por co-orientação), Mestrado (1 pontos por orientação; 0,5 pontos por co-orientação) e pós-doutorado (1 pontos por orientação).

    O item Projeto de Pesquisa para os bolsistas nível 1 terá peso 1, considerando:

    e) A avaliação do projeto de pesquisa pelo CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc e na análise da contribuição científica e tecnológica da proposta para inovação, pontuado de 0-10.

    A pontuação dos itens a, b, c, d será atribuída considerando-se como nota 10 o valor apresentado no percentil de 90% da variável; as demais notas serão calculadas proporcionalmente de 0-10 de acordo com o valor do percentil de 90%. Os valores do percentil de 90% e as demais notas serão calculados por subárea da Zoologia e os resultados ordenados em conjunto.

     

    NOTA: Para os bolsistas PQ vigentes que estejam pleiteando nova concessão, os critérios acima poderão ser desconsiderados, em função da qualidade dos seus pareceres emitidos na análise das propostas dos pares nas últimas demandas do CNPq, podendo refletir na não concessão ou rebaixamento da bolsa.

    3.2. Para os bolsistas nível PQ-2:

    O item Produção Científica para os bolsistas nível 2 será contemplado com valor máximo de 50% do total; o item Formação de Recursos Humanos com valor máximo de 30% do total e o item Projeto de Pesquisa com valor máximo de 20%.

    O item Produção Científica para os bolsistas nível 2 terá peso 5 na análise, considerando:

    a) O número de artigos publicados em periódicos qualificados (peso 3,5);

    b)A média do fator de impacto dos artigos publicados em periódicos qualificados no decênio anterior (peso 0,75);

    c) O índice H do pesquisador (peso 0,75).

    O item Formação de Recursos Humanos para os bolsistas nível 2 terá peso 3, considerando:

    d)O número de orientações em programas de pós-graduação reconhecidos pela CAPES, incluindo Doutorado (2 pontos por orientação; 1 pontos por co-orientação), Mestrado (1 pontos por orientação; 0,5 pontos por co-orientação) e pós-doutorado (1 pontos por orientação).

    O item Projeto de Pesquisa para os bolsistas nível 2 terá peso 2, considerando:

    e) A avaliação do projeto de pesquisa pelo CA com base nos pareceres dos consultores ad hoc e na análise da contribuição científica e tecnológica da proposta para inovação, pontuado de 0-10.

     

    A pontuação dos itens a, b, c, d será atribuída considerando-se como nota 10 o valor apresentado no percentil de 90% da variável; as demais notas serão calculadas proporcionalmente de 0-10 de acordo com o valor do percentil de 90%. Os valores do percentil de 90% e as demais notas serão calculados por subárea da Zoologia e os resultados ordenados em conjunto.

    3.3.Serão utilizados os seguintes critérios como parâmetros de desempate para o Nível PQ-1, na seguinte ordem de prioridade:

    a)Atividades de gestão científica e administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica;

    b)Atividades comprovadas de curadoria;

    c)Participação em atividades editoriais;

    d)Número de publicações na forma de livros e capítulos de livros.

    3.4.Serão utilizados os seguintes critérios como parâmetros de desempate para o Nível PQ-2, na seguinte ordem de prioridade:

    a)Qualificação do projeto de pesquisa do solicitante conforme avaliação do CA-ZO com base nos pareceres dos consultores ad hoc;

    b)Atividades de coordenação em projetos de pesquisa;

    c)Participação em atividades editoriais;

    d)Número de publicações na forma de livros e capítulos de livros.

    NOTA: Para os bolsistas PQ vigentes que estejam pleiteando nova concessão, os critérios acima poderão ser desconsiderados, em função da qualidade dos seus pareceres emitidos na análise das propostas dos pares nas últimas demandas do CNPq, podendo refletir na não concessão ou rebaixamento da bolsa.

     

    4. RECONHECIMENTO DE NOTÓRIA LIDERANÇA CIENTÍFICA

    Em casos excepcionais, parte dos requisitos mínimos acima poderá ser dispensado e critérios adicionais de comparação entre pares poderão ser utilizados para candidatos que possuem liderança científica amplamente reconhecida pela sua obra. Essa qualidade leva em consideração o fazer escola de pensamento científico, a disseminação nacional e internacional de uma área de investigação e a criação de instituições científicas ou tecnológicas de excelência. A concessão de excepcionalidade deverá ser apoiada pela totalidade dos membros do CA e poderá ser concedida uma única vez a cada pesquisador. Caso o pesquisador não atinja os critérios de pontuação no julgamento seguinte terá sua classificação revista ou não terá sua solicitação recomendada pelo CA-ZO. Na caracterização desta excepcionalidade serão considerados os seguintes critérios:

    a)Produção científica da carreira;

    b)Impacto da produção científica ou tecnológica, utilizando-se critérios qualitativos e quantitativos;

    c)Contingente de recursos humanos formados em nível de Pós-Graduação (Mestres e Doutores);

    d)Destino dos recursos humanos formados e sua contribuição científica;

    e)Nucleação de grupos de pesquisa;

    f)Atividades de gestão científica e tecnológica e de administração de instituições e núcleos de excelência científica e tecnológica.

    g)Treinamento de pós-doutorado no exterior.

    h)Participação em atividades editoriais.

     

    5. GRANDES GRUPOS TAXONÔMICOS NÃO ATENDIDOS

    Em casos excepcionais, o CA-ZO poderá promover pesquisador para os níveis PQ-1A, B, C ou D, independentemente da sua classificação na comparação entre os pares, caso trabalhe com grupo taxonômico (considerando níveis hierárquicos elevados) não atendido atualmente por bolsas no nível PQ-1 e desde que atinja os requisitos mínimos para classificação no nível proposto pelo CA-ZO. A concessão de excepcionalidade deverá obrigatoriamente ser apoiada pela totalidade dos membros do CA-ZO e poderá ser concedida uma única vez a cada pesquisador. Caso o pesquisador não atinja os critérios de pontuação no nível que foi atribuído no julgamento seguinte, terá sua classificação revista ou não terá sua solicitação recomendada pelo CA-ZO.

Mostrando 1 - 10 de 47 resultados.
Itens por página 10
de 5

Navegue pelo mapa do Portal Navegue pelo mapa do Portal

Outros Sites
 
De segunda a sexta das 8h30 às 18h30
0800 61 96 97
 
 
SHIS QI 1 Conjunto B - Blocos A, B, C e D
 
 Lago Sul - Brasília.DF - Cep: 71605-001
 
 Horário de funcionamento do CNPq
Segunda a sexta - 8h30 às 12h00 e 14h00 às 18h30
 
CNPq | Uma agência do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação