COIAM | CA - Engenharia e Ciências Ambientais

Ciências da Vida

Comitê de Assessoramento de Engenharia e Ciências Ambientais ¿ CA-CA

Critérios de Julgamento

Vigência: 2015 a 2017

 

Critérios Gerais

O enquadramento do pesquisador na categoria 2 (PQ 2) exige que o proponente tenha, no mínimo, 3 (três) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa. O enquadramento do pesquisador na categoria 1 (PQ 1) exige que o proponente tenha, no mínimo, 8 (oito) anos de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

O desempenho do pesquisador é avaliado por meio de indicadores referentes ao quinquênio anterior, no caso da categoria 2, e ao decênio anterior, no caso da categoria 1, mais o ano em curso.

Os critérios de avaliação incluem o mérito científico do projeto; relevância, originalidade e repercussão da produção científica do candidato; formação de recursos humanos em nível de Pós-Graduação; contribuição científica, tecnológica e de inovação, incluindo patentes; coordenação ou participação em projetos e/ou redes de pesquisa; inserção internacional do proponente; e participação em atividades editoriais e de gestão científica e acadêmica.

Quando pertinente, também serão considerados na análise das propostas: foco nos grandes problemas nacionais; abordagens multi e transdisciplinares; impacto social; comunicação com a sociedade; interação com o parque produtivo; e conservação ambiental.

Os solicitantes serão classificados pelos critérios a seguir, exclusivamente com a finalidade de adequar a demanda às cotas de bolsas PQ disponibilizadas pelo CNPq.

Critérios Específicos

O Comitê recebe propostas que dizem respeito à aplicação das ciências naturais, sociais e das engenharias no entendimento e solução de problemas do ambiente relevantes ao país. São problemas que envolvem água, solo e atmosfera e suas interações com o meio socioeconômico, político e cultural, assim como mudanças ambientais globais, questões associadas à biodiversidade e à valoração de danos.

Para todos os tipos de produção, será considerado o período pertinente a cada categoria, mais a produção do ano do julgamento, de acordo com o currículo congelado pelo CNPq.

Serão consideradas publicações científicas, orientações e produção técnico-científica. Uma avaliação da relevância e qualidade do projeto de pesquisa será efetuada e constituirá parte da avaliação global. Com respeito a outros tipos de atividades, serão levadas em conta aquelas relacionadas à formação de núcleos de liderança de grupos de pesquisa, quando for o caso, e participação em comitês assessores.

Não serão consideradas palestras ou atividades puramente administrativas ou burocráticas.

Nos casos em que o candidato apresentar também produção em áreas disciplinares não relacionadas ao ambiente será dado maior peso à produção na área de estudos ambientais.

Publicações Científicas e Produção Tecnológica. Os seguintes tipos de publicações serão considerados, segundo esta ordem de prioridade: artigo em periódico científico, livro completo, capítulo de livro, organização de livro, trabalho completo em anais de eventos científicos e produtos técnico-científicos (patentes, registro de software, etc.). Em relação aos periódicos Qualis B3, B4 e B5, será considerado um valor de saturação para cada período de análise, por serem publicações de baixo impacto. Não serão considerados outros tipos de publicações (resumos, resumos expandidos, relatórios técnicos, relatórios de consultoria e texto em jornais). A avaliação da qualidade das publicações científicas será norteada pela classificação QUALIS referente à área mais próxima à área temática do artigo científico. Outros critérios quantitativos e qualitativos poderão ser aplicados pelo Comitê, quando julgados necessários.

Projetos de Pesquisa.A análise do projeto de pesquisa será feita nos aspectos de qualidade e de relevância do projeto para a área de conhecimento ambiental. A qualidade do projeto será avaliada em termos de objetivos científicos e tecnológicos, inovação, metodologia e potencial de resultados. A relevância do projeto é entendida como contribuição para a área de conhecimento e para a resolução de problemas ambientais que contribuam para a melhoria da qualidade de vida.

Orientações.As orientações serão consideradas na seguinte ordem de prioridade: doutorado, mestrado, pós-doutorado e iniciação cientifica/tecnológica. Apenas orientações concluídas com êxito serão consideradas (orientações em andamento ou trancadas não serão consideradas). A coorientação será avaliada caso a caso, mas não substitui a orientação como critério mínimo para concessão/elegibilidade.

Engajamento. Seguindo as novas diretrizes do CNPq, serão consideradas como atividades relevantes: a participação em comitês científicos, comitês assessores, conselhos, comissões de pesquisa, convênios de pesquisa, comitês de organização de eventos científicos, editoração de revista cientifica de alto nível, atuação como diretor(a) de laboratórios públicos e privados e coordenador(a) de pós-graduação.

Análise Final. A avaliação final levará em conta, em ordem de prioridade: publicações científicas (incluindo produções técnico-científicas), projeto de pesquisa, orientações acadêmicas.

Critérios Mínimos para Concessão/Elegibilidade

Somente serão analisadas as propostas cujos proponentes atendam aos seguintes critérios mínimos:

a) Possuam produção média anual nos últimos 5 (cinco) anos igual ou superior a duas publicações científicas (artigos em periódicos científicos, livros e capítulos de livros), ou igual ou superior a uma publicação Qualis A1 por ano, em média.Não serão considerados como livros e capítulos de livros: 1. Relatórios técnicos ou de pesquisa; 2. Livros didáticos e de ficção; 3. Notas de aulas e apostilas; 4. Notas técnicas; 5. Manuais técnicos ou pedagógicos;

b) Apresentem pelo menos uma publicação padrão Qualis A ou duas Qualis B2 nos últimos 5 (cinco) anos que se enquadrem nas subáreas de Ciências Ambientais;

c) Tenham pelo menos uma orientação concluída de mestrado ou doutorado para PQ 2 e, pelo menos uma orientação de doutorado para PQ 1, nos últimos 5 (cinco) anos, que se enquadre nas subáreas de Ciências Ambientais;

d) Estejam credenciados para orientação em pelo menos um programa de pós-graduação (mestrado ou doutorado) nas subáreas de Ciências Ambientais avaliado com nota mínima 3 pela CAPES;

e) Apresentem projetos de pesquisa de qualidade, segundo os critérios estabelecidos no julgamento do Comitê, e que se enquadrem nas subáreas de Ciências Ambientais.

Categoria 2. Os dados para avaliação dos pesquisadores categoria 2 serão dos 5 (cinco) últimos anos mais o ano em curso. O pesquisador, além de atender aos critérios mínimos para concessão/elegibilidade citados acima, deverá:

a) Ter pelo menos 3 (três) anos de doutorado;

b) Apresentar envolvimento em atividades de ensino e pesquisa;

c) Participar da formação de recursos humanos através da orientação de projetos de iniciação cientifica e pós-graduação;

d) Apresentar projeto científico original, que demonstre independência em relação ao seu projeto de doutorado e que não constitua uma simples extensão do mesmo.

Categoria 1. Os dados para avaliação dos pesquisadores categoria 1 (níveis A, B, C e D) serão dos últimos 10 (dez) anos, mais o ano em curso. O pesquisador, além de atender aos critérios mínimos para concessão/elegibilidade, deverá ter:

a) Pelo menos 8 (oito) anos de doutorado;

b) Envolvimento em atividades de ensino e pesquisa;

c) Concluído orientações de pós-graduação;

d) Atuação relevante em Ciência & Tecnologia;

e) Produção científica expressiva em número e qualidade, com repercussão nacional e internacional, demonstrada através do volume de publicações em revistas com corpo de avaliadores;

f) Participação em corpo editorial e/ou arbitragens para revistas indexadas, bem como participação em programas de pesquisa e projetos importantes no âmbito nacional e/ou internacional.

Além disso, para classificar-se na:

Categoria 1 Nível D: O pesquisador deverá apresentar uma média de duas publicações científicas por ano; produção científica regular e capacidade de formação de pós-graduados.

Categoria 1 Nível C: Além das condições exigidas para o nível 1D, o pesquisador deverá apresentar mais de duas publicações científicas por ano no período analisado; coordenação e/ou participação em projetos científicos financiados por agências de fomento a pesquisa.

Categoria 1 Nível B: Além das condições exigidas para os níveis anteriores, o pesquisador deverá coordenar projetos científicos financiados por agências de fomento a pesquisa com envolvimento de outros pesquisadores e instituições.

Categoria 1 Nível A: Além das condições exigidas para os níveis anteriores, o proponente deve ser líder de grupo de pesquisa; apresentar liderança científica e ter contribuição contínua e significativa em sua área de atuação; formação de novas lideranças.

 

Observação: o número de bolsas concedidas é limitado pela cota estabelecida pela área. Portanto, as bolsas são deferidas pelo CNPq em ordem de prioridade estabelecida por esteComitê.Um eventual indeferimento não significa demérito ao pesquisador e ao projeto de pesquisa.